Política

Fachin abre processo para investigar suposto caixa 2 de Onyx Lorenzoni

PGR e STF analisam acusação de que futuro ministro da Casa Civil teria recebido 200 mil reais da JBS

O deputado federal e outros nove políticos tiveram nomes citados por delatores da JBS
O deputado federal e outros nove políticos tiveram nomes citados por delatores da JBS

Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, acatou nesta terça-feira, 4, o pedido da Procuradoria-Geral da República para apurar denúncias de caixa dois contra Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil. De acordo com delatores da JBS, em 2012 e 2014, o deputado federal recebeu duas parcelas de 100 mil reais da empresa, não contabilizadas na campanha.

No ano passado, Lorenzoni chegou a assumir o recebimento de pelo menos 100 mil reais da empresa para pagar dívidas de campanha. O dinheiro não foi contabilizado pela campanha e é considerado caixa dois. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, ele pediu desculpas pelo ato.

Em novembro, os delatores entregaram como prova uma planilha à PGR com os nomes dos políticos que receberam pagamento via caixa dois.

Ainda não há investigação formal, com abertura de inquérito – apenas uma apuração prévia de possíveis irregularidades.

Leia também: Conheça o projeto de lei 'Onyx Lorenzoni', que ironiza Moro e Guedes

Além dele, outros seis deputados (Paulo Teixeira, do PT, Alceu Moreira e Marcelo Castro, ambos do MDB, Wellington Fagundes, do PR, Jeronimo Gorgen, do PP, Zé Silva, do SD) e três senadores (Ciro Nogueira, do PP, Renan Calheiros e Eduardo Braga, do MDB) estão na mesma lista de investigação de Onyx.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!