Política

O que se sabe sobre o fazendeiro preso por ameaçar atirar em Lula no Pará

À PF, o homem afirmou ter participado dos atos golpistas de 8 de Janeiro, em Brasília

O presidente Lula em café da manhã com correspondentes estrangeiros. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O homem preso em Santarém (PA) por ameaçar dar um tiro no presidente Lula afirmou à Polícia Federal ser um fazendeiro que já se envolveu com garimpo.

Segundo a PF, Arilson Strapasson foi preso enquanto comprava bebidas em uma loja. Na ocasião, teria dito que atiraria na barriga de Lula e questionado aos presentes onde o presidente se hospedaria na cidade, entre 4 e 7 de agosto, para a Cúpula da Amazônia no Pará.

Uma das testemunhas realizou uma denúncia logo após o episódio. À PF, o homem preso afirmou ter participado dos atos golpistas de 8 de Janeiro, em Brasília, e invadido o Salão Verde da Câmara dos Depuados.

Ele também disse ter participado das manifestações em frente ao 8º Batalhão de Engenharia de Construção em Santarém durante 60 dias e, inclusive, financiado a manifestação com mil reais todos os dias.

Durante as diligências, os investigadores da PF encontraram um comprovante de compra e venda de um imóvel na região no valor de 2,5 milhões de reais.

Strapasson responderá pelos crimes de ameaça e incitação de atentado contra autoridade por motivação política.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo