“O problema é meu”, diz Bolsonaro sobre promover aglomeração

Presidente intensificou agenda de viagens para inaugurações e visitas a obras

O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores durante agenda no Rio Grande do Norte. Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores durante agenda no Rio Grande do Norte. Foto: Alan Santos/PR

Política

O presidente Jair Bolsonaro rebateu, nesta quinta-feira 27, as críticas que recebe por não usar a máscara de forma correta, por cumprimentar apoiadores e promover aglomeração.

 

“O problema é meu, gosto de estar no meio do povo, tive no meio do povo no meio da pandemia, quem decide a minha vida sou eu. Não tem que dar palpite”, afirmou durante live realizada em suas redes sociais.

Na últimas semanas, o presidente intensificou a sua agenda de viagens para inaugurações e visitas a obras.

Hoje, o presidente registrou a sua chegada em Foz do Iguaçu, no Paraná. Sem uso da proteção facial, ele circula junto a apoiadores e aperta a mão das pessoas.

 

 

Na quarta-feira 26, Bolsonaro visitou Ipatinga, em Minas Gerais, e o comportamento foi o mesmo. O município é o segundo do estado em número de casos acumulados, atrás apenas da capital Belo Horizonte.

O distanciamento social é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde como medida mais eficaz para controlar a disseminação do novo coronavírus.

O uso da máscara também é indispensável para conter a propagação do vírus.

Bolsonaro foi diagnosticado com Covid-19 em julho. À época,  ele criticou o isolamento social e afirmou que o vírus seria como uma chuva, que todo mundo pegaria.

“Eu não agiria dessa forma (quarentena) como foi feita no passado. O Brasil é um país tropical e o vírus se da melhor nos climas mais frios”, justificou  na ocasião.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem