…

Novo presidente da Caixa é genro de Leo Pinheiro, delator do triplex

Economia,Política

Pedro Guimarães, o banqueiro especialista em privatizações que foi empossado por Jair Bolsonaro nesta segunda-feira 7 como presidente da Caixa Econômica Federal, é genro de Leo Pinheiro, ex-executivo da empreiteira OAS. Ele ganhou fama nacional quando foi pego em um esquema de propina revelado pela Operação Lava Jato.

Depois de ser condenado e preso por pagar propinas a políticos em troca de favorecimentos para sua empreiteira em contratos com o governo, Pinheiro deixou a cadeia quando assinou acordo de delação premiada afirmando que Luiz Inácio Lula da Silva era uma espécie de “proprietário oculto”de um apartamento triplex no Guarujá, no litoral paulista, e que teria recebido o bem como presente da construtora dirigida por Pinheiro. O imóvel em questão foi posteriormente leiloado para pagar dívidas da OAS com credores.

Guimarães tomou posse pela manhã no Palácio do Planalto, em cerimônia da qual participaram o presidente da República e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Sócio do banco de investimento Brasil Plural, Guimarães foi escolhido a dedo para o cargo: doutor em Economia pela Universidade de Rockester (EUA), especializou-se em privatizações. Tem mais de 20 anos de atuação no mercado financeiro na gestão de ativos e reestruturação de empresas.

Leia também: Presidente da Caixa anuncia venda de parte das Loterias e de seguros

Em seu discurso inaugural, já anunciou que vai vender parte das empresas de seguros, cartões e loterias do banco estatal. Guimarães afirmou também que seguirá à risca toda a orientação que Bolsonaro lhe transmitiu, que se resume a: “você não pode errar”. Segundo Guimarães, isso se dará com a “venda de participações em empresas controladas, seguros, cartões, asset (gestão de ativos) e loterias, que já começam agora, pelo menos duas neste ano”. Em outras palavras, disse que vai privatizar parte das operações das Loterias da Caixa, Caixa Seguros e Cartões Caixa.

O novo presidente da Caixa acrescentou que pretende expandir a oferta de microcrédito a taxas mais baixas do que as hoje praticadas pelo mercado. “Não me conformo em ver pessoas tomando dinheiro a 15%, 20% ao mês”, afirmou.  “O Brasil pode ser uma referência em microcrédito.”

Leia também: Cinco medidas em que o governo Bolsonaro já mostra a que veio

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem