Política

Natal dos Catadores: Lula apresenta plano para destinar à moradia popular prédios não usados pela União

A proposta está sob estudo pela ministra Esther Dweck e deverá ser apresentada no começo de 2024

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) participou nesta sexta-feira 22 do Natal dos Catadores, tradicional evento ao qual o petista comparece desde 2003. 

O encontro deste ano aconteceu em Brasília e teve a presença de ministros, parlamentares e outras autoridades. 

Trata-se de uma iniciativa da Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis, do Movimento Nacional dos Catadores e da União Nacional de Catadores e Catadores de Materiais Recicláveis. 

Em seu discurso, Lula apresentou um plano que consiste em disponibilizar imóveis da União, atualmente sem uso, para uma iniciativa de habitação.

Segundo o presidente, a ideia está em desenvolvimento sob a chefia da ministra de Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck. 

“Estamos em um processo de discussão e eu quero envolver toda a sociedade. A nossa ministra Esther Dweck tem a orientação do governo para pegar todos os prédios públicos que o governo não utiliza e a gente fazer uma distribuição sensata para que a gente possa dar ao povo o direito de viver com decência”, disse. 

Um levantamento realizado pela gestão federal em junho mapeou ao menos 500 imóveis inutilizados em todas as regiões do País, mas o número pode ser ainda maior, segundo Lula.

“A informação que eu tenho é que só o INSS tem mais de 3 mil imóveis que não servem para nada no INSS, mas podem servir para o povo que precisa morar”, disse. 

“Tem prédio que dá para ser transformado em moradia. Tem prédio que a gente tem de vender e utilizar o dinheiro para outra coisa. Tem terrenos que a gente pode fazer a doação para o preço da casa sair mais barato para o povo.”

Denominado de Democratização dos Imóveis da União, o programa ainda tentará encontrar o melhor destino para os imóveis em parceria com prefeituras, estados e o setor privado.

Ainda segundo o presidente, o lançamento deve acontecer no início de 2024. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo