Mundo

‘Não podemos aceitar um neocolonialismo verde’, diz Lula em evento do Brics

O petista ainda ressaltou a importância do Banco dos Brics, presidido por Dilma Rousseff, para incentivar o desenvolvimento do bloco

O presidente Lula durante discurso em evento do Brics, na África do Sul (Foto por GIANLUIGI GUERCIA / AFP)
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou, nesta terça-feira 22, no Fórum Empresarial do Brics, em Joanesburgo, na África do Sul. Segundo o petista, não é possível aceitar “um neocolonialismo verde que impõe barreiras comerciais e medidas discriminatórias, sob o pretexto de proteger o meio ambiente”.

A questão ambiental é um dos pontos a travar as negociações sobre o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

Lula ainda ressaltou a importância do Banco dos Brics, presidido por Dilma Rousseff, para incentivar o desenvolvimento dos países integrantes do bloco. 

“A decisão de estabelecer o Novo Banco de Desenvolvimento representou um marco na colaboração efetiva entre as economias emergentes”, afirmou. “As necessidades de financiamento não atendidas dos países em desenvolvimento continuam muito altas. A falta de reformas substantivas das instituições financeiras tradicionais limita o volume e as modalidades de crédito dos bancos já existentes.”

O presidente também defendeu a reaproximação do Brasil com os países africanos. 

“É inaceitável que, em 2022, o comércio do Brasil com a África tenha diminuído em um terço com relação a 2013, quando era de quase 30 bilhões de dólares”, prosseguiu. ” O Brasil está de volta ao continente de que nunca deveria ter se afastado. A África reúne vastas oportunidades e um enorme potencial de crescimento.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo