‘Não deixaremos acontecer interferência’, diz federação de policiais federais

'A Polícia Federal precisa manter sua linha de autonomia e independência nos trabalhos e investigação', disse o órgão em nota à imprensa

Foto: Lula Marques/Fotos Públicas

Foto: Lula Marques/Fotos Públicas

Política

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) divulgou, em nota à imprensa, que lamenta a saída do ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, e afirmou que “garantem que não irá acontecer” interferência política na gerência da corporação – algo apontado por Moro como pretensão expressa do presidente Jair Bolsonaro.

“Para a diretoria da entidade, independentemente de quem ocupe o Ministério da Justiça e Segurança Pública e a Direção-geral da PF, a Polícia Federal precisa manter sua linha de autonomia e independência nos trabalhos e investigação.”, diz a Fenapref.

Segundo o depoimento de Moro, porém, Bolsonaro planejava deliberadamente ter acesso aos inquéritos da PF. O presidente teria afirmado suas intenções ao ministro, segundo ele, quando questionado sobre a troca de Valeixo de seu cargo, já que não aparentemente não havia indícios de um mal trabalho feito pelo então diretor.

Sobre isso, a Fenapef declara que “jamais a instituição deve ser atingida por interferências políficas”. O presidente do órgão, Luis Antônio Boudens, acrescenta ainda que qualquer movimento nesse sentido não irá acontecer. “O presidente da República tem o direito de fazer alterações em sua equipe, mas isso não significa – e garantimos que não irá ocorrer – qualquer tipo de interferência nas investigações criminais da Polícia Federal”, disse.

“Os quase 15 mil policiais federais, assim como toda a sociedade, esperam que as mudanças realizadas nesta sexta-feira, 24, não alterem os valores e a missão da Polícia Federal”, acrescentam.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem