…

PSL domina campo conservador na Câmara; PSOL e PDT crescem

Política

A nova bancada da Câmara dos Deputados escolhida pelos eleitores brasileiros mostra uma situação mais equilibrada que no Senado, onde o campo progressista perdeu espaço.

Os partidos mais tradicionais da esquerda – PT, PSB, PCT, PCdoB e PSOL – mantiveram patamar semelhante ao de 2014. Há quatro anos, as cinco legendas elegeram 137 deputados no total. Neste pleito, foram 135.

Leia também:
Bolsonarismo ganha força no Senado e campo progressista perde espaço
Ciro Gomes, sobre segundo turno: “Ele não, sem dúvida”

Embora continue a ser a maior força na Câmara, o PT perdeu bancada, ao cair de 68 deputados para 56. O PDT de Ciro Gomes e o PSOL de Guilherme Boulos ajudaram, porém, a compensar a queda. 

O primeiro elegeu 28 parlamentares, oito a mais que em 2014. O segundo dobrou sua bancada, que cresceu de 5 para 10 deputados. No Rio de Janeiro, a votação expressiva de Marcelo Freixo, segundo mais votado no estado, ajudou a eleger quatro nomes. Em São Paulo, Sâmia Bomfim liderou a votação do partido, que emplacou três nomes.

O PSB e o PCdoB tiveram perdas, mas tímidas. O primeiro caiu de 34 para 32 parlamentares, e o segundo, de 10 para 9.

No campo conservador, o PSL de Jair Bolsonaro cresceu em meio à queda significativa dos partidos que compuseram o núcleo duro do governo de Michel Temer. O PSDB caiu de 54 para 29 deputados, e o MDB, de 65 para 34. Somados, ambas as legendas perderam 56 parlamentares. O DEM também compensou um pouco a queda: foi de 21 para 29 deputados. O partido Novo também ocupou espaço, ao eleger oito parlamentares.

Partidos mais fisióligicos, que apoiaram o tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno, tiveram variações tímidas, com exceção ao PRB, agora com 30 deputados (tinha 21). O PP elegeu 37 deputados nestas eleições, um a menos que há quatro anos. O PR também: caiu de 34 para 33 nomes.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem