Política

MPT notifica Caixa e pede relação de denúncias contra Pedro Guimarães e vice-presidente do banco

Presidente da instituição financeira foi incluído como investigado e poderá ser responsabilizado mesmo após deixar o cargo

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos
O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público do Trabalho do Distrito Federal notificou a Caixa Econômica Federal para que entregue a relação de denúncias feitas contra o ex-presidente da estatal, Pedro Guimarães, acusado por funcionárias de assédio sexual.

Em sua carta de demissão divulgada nesta quarta-feira, Guimarães negou as denúncias e disse que não teve oportunidade de se defender. “É uma situação cruel, injusta, desigual e que será corrigida na hora certa com a força da verdade”, afirmou.

O documento foi enviado para a Caixa e também para Pedro Guimarães na tarde desta quarta-feira. Além do executivo, o Ministério também pediu a relação de denúncias feitas contra o vice-presidente do banco público, Celso Leonardo Barbosa, bem como todas as denúncias de enviadas ao canal interno de comunicações desde 2019. Procurado, Celso nega que tenha praticado qualquer irregularidade.

— Aqui (no banco), internamente, não existe processo contra mim — disse o vice-presidente da Caixa, acrescentando: — Fico estarrecido. Para mim, é uma tentativa de puxar todo mundo que está ligado a ele (Pedro Guimarães). Tem gente no banco incomodado com o que está acontecendo.

O Ministério Público do Trabalho incluiu não apenas a Caixa no processo como também Pedro Guimarães. Com isso, poderá buscar a responsabilização pessoal do ex-presidente do banco público mesmo que ele já tenha deixado o cargo. Segundo o documento, a instituição financeira terá 10 dias para responder os questionamentos da investigação.

Em relação a Celso Leonardo Barbosa, vice-presidente do banco, o Ministério Público pediu para a Caixa apresentar explicações sobre a denúncia de que Barbosa causaria “temor” às mulheres que trabalham no banco.

Mais cedo o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal decidiu apurar as acusações por assédio sexual contra o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. O procurador Paulo Neto abriu um procedimento chamado “notícia de fato” para analisar preliminarmente o caso. A partir desta avaliação inicial, o MPT vai decidir se abre uma investigação sobre o caso.

Os relatos de assédio feitos por funcionárias da Caixa foram revelados pelo portal “Metrópoles” na última terça-feira. Segundo elas, Guimarães adotou conduta indevida com suas subordinas, realizando toques em partes íntimas sem autorização, além de convites considerados impróprios. Nesta quarta, após o caso vir à tona, o presidente da Caixa pediu demissão do cargo.

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.