Mourão exalta golpe de 64 e diz que ditadura desenvolveu o Brasil

31 de março é a data que se completa 56 anos do golpe militar que instaurou uma ditadura no Brasil

O vice-presidente Hamilton Mourão e o presidente Jair Bolsonaro (Foto: Valter Campanato/EBC)

O vice-presidente Hamilton Mourão e o presidente Jair Bolsonaro (Foto: Valter Campanato/EBC)

Política

No dia em que se completa 56 anos do golpe militar no Brasil, o vice-presidente Hamilton Mourão fez um post nesta teça-feira 31 exaltando a data. No Twitter, ele disse que as Forças Armadas interviram na política “para enfrentar desordem”.

“Há 56 anos, as FA (Forças Armadas) intervieram na política nacional para enfrentar a desordem, subversão e corrupção que abalavam as instituições e assustavam a população”, disse o general.

O político afirmou também que a data “iniciaram-se as reformas que desenvolveram o Brasil”. A ditadura militar no país, que durou 21 anos, acabou com a Constituição, dissolveu o Congresso e utilizou da tortura e censura como ferramenta de controle do Estado.

Além disso, o milagre econômico, proposto pelos militares, levou o Brasil a uma hiperinflação crônica e níveis crescentes de concentração de renda e pobreza provenientes de seu projeto econômico.

Essa não é a primeira vez que o vice-presidente exalta o período. Em dezembro de 2019, Mourão minimizou os impactos do Ato Institucional nº 5 (AI-5), medida adotada em 1968, a mais cruel do período da ditadura, e disse que “foi o grande instrumento autoritário que os presidentes militares tiveram à mão”.

“É importante que depois se pesquise quantas vezes ele [AI-5] foi utilizado efetivamente durante os dez anos que ele vigorou. Porque muitas vezes se passa a ideia que todo dia alguém era cassado, alguém era afastado. E não funcionou dessa forma”, declarou.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem