Política

Mourão diz que resultado das urnas não será questionado ‘com Exército na rua’

Segundo o vice-presidente, é bobagem questionar a integridade das urnas eletrônicas, como tem sido feito por Jair Bolsonaro e aliados, sem apresentar provas

Foto:  Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos), pré-candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul, afirmou que o resultado das eleições 2022 não será questionado com “o Exército na rua”. “Não existe espaço para um golpe. Quem diz isso está enlouquecendo”, afirmou ele em conversa na manhã desta quarta-feira, 25, com empresários, gestores e assessores de investimentos na gestora RPS Capital, cujo relato foi obtido pelo Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Segundo Mourão, é bobagem questionar a integridade das urnas eletrônicas, como tem sido feito pelo presidente Jair Bolsonaro e aliados, sem apresentar provas. “Com toda a minha sinceridade, sempre pode ter algum problema. Mas desde que esse processo teve início (votação pela urna eletrônica), não teve fraude”, disse o vice-presidente. “Em um País que não guarda segredo, uma fraude já teria aparecido. É uma bobagem ficar alimentando isso aí.”

Ele defendeu, no entanto, a impressão do voto. “Qualquer pessoa quando vai ao banco pode tirar um extrato e conferir se foi aquela operação que fez. Qual seria o problema de acontecer isso na eleição?”, questionou.

O vice-presidente disse que conversou com o ministro Luís Roberto Barroso, que foi presidente do Tribunal Superior Eleitoral até fevereiro deste ano, e que houve a sugestão de chamar as Forças Armadas para participar da Comissão de Transparência das Eleições. “Entre 90 e 100 engenheiros cibernéticos, que defendem o País de ataques hackers diariamente produziram dois documentos. Um com mais de 400 observações, de caráter menor. E outro com nove aspectos que poderiam ser melhorados. Mas deram um grau de sigilo para todos e o presidente (Jair Bolsonaro) ficou pressionando para divulgar. Mas o tribunal respondeu que não aceitava”, afirmou.

“O problema é que se coloca em discussão que as Forças Armadas estão intervindo, mas não. Criamos o relatório, fizemos o trabalho e está encerrado o assunto. Próximo assunto das Forças Armadas é a distribuição das urnas e a segurança do processo eleitoral. É o que ela faz toda vez que acontece uma eleição”, disse.

Dúvidas levantadas por militares foram classificadas no TSE como manifestação de “opinião” no começo do mês.

‘Ruídos’ com Bolsonaro

Na conversa com empresários, Mourão disse não acreditar na terceira via “porque não conquista o ‘povão'”. “A não ser que um milagre aconteça, mas nem eles conseguem se entender… Não vão passar de 4%, 5% dos votos. A disputa vai ser entre o ex-presidente Lula e Bolsonaro”, afirmou.

Mourão também deixou clara a decepção com o papel que conseguiu desempenhar como vice de Jair Bolsonaro. Ele declarou que sempre buscou “ser proativo” para cooperar com o governo, principalmente nas questões internacionais. “O presidente criou muitos ruídos achando que eu estava querendo ultrapassá-lo, que eu queria o lugar dele ou coisas do tipo”, disse.

Em razão desses “ruídos”, o vice-presidente contou ter tido, no fim de 2020, uma conversa reservada com Bolsonaro. “Sentei com ele e disse três coisas de forma direta: eu estou aqui para te ajudar, não quero o seu lugar e se não está satisfeito eu renuncio amanhã, mas nesse ponto eu me preocupo com o que pode acontecer no Congresso”.

Sobre a escolha de um novo vice-presidente na corrida à reeleição, Mourão foi direto: “Como o presidente escolheu um outro candidato, eu poderia pendurar as chuteiras e cuidar dos netos ou tentar uma vaga no Congresso para lutar pelas ideias que transmito. Estou com saúde e vou tentar um lugar no Senado.”

Para não confrontar o presidente, Mourão demonstrou escolher as palavras. Sobre a gestão da pandemia de Covid-19, ele fez elogios, embora “volta e meia o presidente faz um discurso contrário”.

A RPS Capital tem realizado desde o segundo semestre do ano passado encontros de nomes da política nacional com agentes do setor de investimentos. Rodrigo Maia, Eduardo Leite, Geraldo Alckmin e Sergio Moro já passaram pelo escritório da gestora na avenida Brigadeiro Faria Lima. Nesse encontro com Mourão, a segurança foi reforçada e as perguntas que seriam feitas foram previamente aprovadas pela assessoria do vice-presidente, que respondeu a apenas cinco.

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

Tags: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.