Mourão diz que ‘opositor’ no Inpe divulga dados negativos sobre queimadas

O vice-presidente desconversou quando questionado sobre quem seria o responsável: 'Não sei, não sou diretor do Inpe'

O General Hamilton Mourão, vice-presidente do Brasil. Foto: Suamy Beydoun/AGIF/AFP

O General Hamilton Mourão, vice-presidente do Brasil. Foto: Suamy Beydoun/AGIF/AFP

Política

O vice-presidente Hamilton Mourão sugeriu nesta terça-feira 15, sem apresentar provas, que há alguém da oposição no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) responsável por divulgar dados negativos sobre as queimadas no País.

“É alguém lá de dentro que faz oposição ao governo. Eu estou deixando muito claro isso aqui. Quando o dado é negativo, o ‘cara’ vai lá e divulga. Quando é positivo, não divulga”, declarou a jornalistas, na entrada do prédio da Vice-Presidência.

Mourão desconversou quando questionado sobre quem seria o responsável. “Não sei, não sou diretor do Inpe”, limitou-se a dizer.

Dados sobre queimadas

Os dados mais recentes disponibilizados pelo Inpe apontam 133.974 focos de incêndio acumulados em todo o País entre 1º de janeiro e 14 de setembro, um aumento de 13% em relação ao ano passado. Só na Amazônia estão 64.498 desses pontos de queimadas.

Os números também demonstram uma aceleração nas queimadas este mês. Até 14 de setembro de 2019, o Inpe registrou 11.003 focos acumulados na Amazônia; em 2020, nos mesmos 14 primeiros dias do mês, já são 20.485 — um aumento de 86%.

Um relatório publicado na segunda-feira 14 também mostra a situação no Pantanal, onde os incêndios aumentaram 210% este ano em comparação com o mesmo período de 2019. Entre 1º de janeiro e 12 de setembro, o número de focos de calor chegou a 14.489, contra 4.660 em 2019.

O instituto disponibiliza dados públicos, atualizados diariamente, sobre os focos em todos os biomas do País, o crescimento nos últimos cinco dias e a comparação com o mesmo período do ano anterior.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem