Política

Mauro Cid tinha convocação de Exército para golpe pronta no celular, diz jornal

De acordo com o jornal O Globo, ajudante de ordens de Bolsonaro mantinha documentos para dar ‘suporte jurídico e legal’ aos militares que rompessem com a democracia

Jair Bolsonaro e Mauro Cid. Foto: Secom
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal encontrou no celular do tenente-coronel Mauro Cid, ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), uma nova minuta golpista. O texto, desta vez, é um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para que militares pudessem participar de um golpe de estado. As informações são da colunista Malu Gaspar, do jornal O Globo.

De acordo com a publicação desta quarta-feira 7, as mensagens encontradas pela PF mostram que o auxiliar número 1 de Bolsonaro teria diversos ‘estudos e documentos’ que dariam suporte ‘jurídico e legal’ aos militares em um eventual golpe.

O depoimento desta quarta, diz a colunista, seria para Cid esclarecer o conteúdo das mensagens, quem produziu os tais estudos e para quem o conjunto de documentos seria entregue. O tenente-coronel, porém, optou novamente pelo silêncio. A oitiva foi acompanhada pela vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo.

“No despacho que autorizou a oitiva de Cid, o ministro Alexandre de Moraes diz que o ex-ajudante de ordens ‘reuniu documentos com o objetivo de obter suporte jurídico e legal para a execução de um golpe de estado’”, cita a publicação do jornal nesta quarta.

O novo conjunto de mensagens mostraria que Cid não apenas recebeu, mas atuou no planejamento de uma ruptura. Recentemente, na primeira leva de conversas reveladas, o ajudante de ordens bolsonarista tinha apenas recebido mensagens de aliados com planos golpistas. Não havia, até aqui, indicações de respostas do tenente-coronel.

Desta vez, a relação com o tema é ainda mais forte. Cid, segundo o jornal, trocava mensagens de teor golpista com o sargento Luis Marcos dos Reis, preso junto com ele na Operação Venire. Cid e o colega de farda discutiam ideias de como convencer o Exército e outras autoridades a aderirem ao golpe. As conversas ocorreram, de acordo com Gaspar, em dezembro do ano passado, após a derrota do ex-capitão nas urnas. Reis deve ser ouvido nesta quarta-feira pela PF.

Não há, até aqui, indicações dos investigadores de que Cid tenha encaminhado a sugestão de GLO para Bolsonaro pelo celular. Mas uma das hipóteses levantadas na PF diz que, após a minuta sugerida por Cid, a intenção do grupo era pôr em prática a intervenção desenhada em documento encontrado na casa do ex-ministro Anderson Torres. Naquele texto, Bolsonaro ganharia poderes de interventor no Tribunal Superior Eleitoral em um ‘estado de defesa’.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo