Política

Marcelo Freixo desiste de candidatura à prefeitura do Rio de Janeiro

Deputado propôs aliança com o PT, mas siglas como PCdoB, PDT e PSB não quiseram se juntar à coligação

Foto: Agência Câmara
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) anunciou nesta sexta-feira 15 que não vai se candidatar à prefeitura do Rio de Janeiro este ano. Seria a terceira vez que Freixo se lançaria à disputa. Em 2012, ele ficou em segundo lugar ao disputar contra o ex-prefeito Eduardo Paes (hoje DEM e, na época, MDB) e, em 2016, também ficou como segundo colocado na disputa que elegeu Marcelo Crivella (Republicanos).

O motivo da desistência se deve ao fato de Freixo não ter conseguido articular uma frente única de esquerda para disputar o pleito. Freixo ganhou apoio do PT, e tinha a ideia de ter como vice a também deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ). No entanto, legendas como PCdoB, PDT e PSB não quiseram se juntar à aliança.

 

O plano também gerou discordância dentro do próprio partido. Políticos de outras alas do PSOL chegaram a propor uma prévia para definir quem seria o candidato ideal à disputa do cargo por não concordarem com a possível aliança com o PT.

Freixo já havia declarado que não lançaria candidatura se não houvesse consenso no PSOL em relação à necessidade de reunir os partidos de esquerda.

Com a desistência de Freixo, a disputa pela prefeitura no Rio tende a disputa entre o atual prefeito Marcelo Crivella e o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM). Em pesquisa divulgada pelo Ibope, em dezembro do ano passado, Freixo ocupava a segunda colocação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo