Mandetta a Bolsonaro: “Quem aglomera e não usa máscara contrai a doença

Ex-ministro da Saúde critica o uso político que Bolsonaro tem feito da cloroquina

Luiz Henrique Mandetta (Foto: Marcello Casal Jr /  Agência Brasil)

Luiz Henrique Mandetta (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Política

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira 09. Em entrevista ao portal Metrópoles, o médico falou que não ficou surpreso ao descobrir que seu ex-chefe se contaminou com o novo coronavírus. 

“Quem aglomera, quem não usa máscara, tem uma chance enorme de contrair a doença. No caso dele, contraiu – e era esperado que contraísse”, afirmou. “Bolsonaro precisa se conscientizar de que agora é um portador de uma doença infecciosa capaz de ser transmitida por gotículas de saliva.”

Mandetta deixou o cargo após se posicionar a favor do isolamento social como medida de contenção.

Na conversa, ele criticou o fato de Bolsonaro politizar o uso da cloroquina.

“O complicado é essa mensagem que ele passa de sugerir a automedicação. Muitas pessoas na idade dele têm problemas cardíacos, que com essa medicação podem ter arritmia cardíaca e morte súbita. Ele, não. Ele tem um médico 24 horas do lado dele, tem um CTI [Centro de Terapia Intensiva] reservado, fez ressonância no primeiro dia”, afirmou.

O ex-ministro acredita que Bolsonaro acabou se tornando um fator de transmissão do vírus.  “Uma pessoa que não segue as recomendações, que não faz o isolamento, que não se trata, enfim, que não se cuida, transmite a doença para um número muito grande de pessoas. O presidente teve contato com muita gente. E essas pessoas tiveram contato também com outras tantas”, diz, ao avaliar que o ex-chefe transmitiu a muitos.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem