Lula deve retomar viagens pelo País em junho, diz Gleisi Hoffmann

Partido ainda deve definir se o petista começa o calendário pelo Rio de Janeiro ou por algum dos estados do Nordeste

A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann. Foto: Reprodução

A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann. Foto: Reprodução

Política

A presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve retomar a agenda de viagens pelo País entre o fim de maio e o início de junho. O calendário começa após o petista ter confirmado sua candidatura à Presidência em 2022. O partido ainda não definiu o primeiro estado do cronograma.

 

 

 

“Não sei se a gente começa pelo Nordeste ou pelo Rio de Janeiro, onde já temos um convite para ir”, afirmou Gleisi, em entrevista ao programa Direto da Redação, no canal de CartaCapital no YouTube.

As tradicionais caravanas de Lula ainda não têm previsão de início, devido à impossibilidade de promover aglomerações. Mas isso não quer dizer que o petista não vá viajar, segundo Gleisi: a expectativa é de que ele se reúna com lideranças regionais, do âmbito político, sindical e social. O desenho deve ser traçado no início da próxima semana.

A presidenta do PT também comentou a reunião de Lula com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em almoço na quinta-feira 20. Questionada sobre as críticas do presidente do PSDB, Bruno Araújo, Gleisi afirmou que “o pessoal não entendeu o encontro”. Segundo ela, Lula relatou que entraram em pauta temas como o processo democrático e a imagem do Brasil no exterior.

“Não foi um encontro para tratar de questões eleitorais. Foi um encontro entre dois ex-presidentes da República, que se reuniram civilizadamente para conversar sobre a crise e as alternativas para sair dela”, disse. “Dificilmente, vamos estar juntos no palanque com o PSDB, pelas diferenças programáticas que nós temos. Não sei te falar no 2º turno, diante do quadro que pode se apresentar. Mas no 1º turno são projetos diferentes. Isso não quer dizer que temos que nos odiar.”

Em relação a Ciro Gomes, Gleisi disse que tem boa relação com o PDT, mas o próprio pré-candidato pedetista inviabiliza o diálogo.

“Nós estamos dispostos e abertos a fazer diálogo com o PDT e o Ciro. Quem não quer é ele, que resolveu atacar o presidente Lula. Não entendo essa postura, mas de nossa parte nunca teve restrição”, declarou.

Confira a seguir a entrevista na íntegra:

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Repórter da revista CartaCapital

Compartilhar postagem