Política

Líder do governo Bolsonaro defende ‘enquadrar’ o Judiciário e reforça ofensiva contra o STF

‘O que estamos discutindo é uma reação a um ativismo político do Judiciário’, alegou Ricardo Barros

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros. Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo de Jair Bolsonaro (PL) na Câmara, afirmou nesta segunda-feira 10 haver uma “necessidade de enquadramento de um ativismo do Judiciário”. Trata-se de uma referência a propostas como o aumento no número de ministros do Supremo Tribunal Federal.

“Se o Judiciário permanecer neste nível de ativismo político (…), isso vai ter reação do Poder Legislativo de forma muito severa. O que estamos discutindo é uma reação a um ativismo político do Judiciário”, afirmou Barros em entrevista à GloboNews.

Bolsonaro tem ameaçado incentivar a ampliação na quantidade de cadeiras no STF. No domingo 9, ele declarou que pode, se reeleito, deixar a sugestão de lado caso a Corte reduza “um pouco a temperatura”. O ex-capitão abordou o tema durante entrevista a um podcast.

“O que eu tenho dito: se eu for reeleito, e o Supremo baixar um pouco a temperatura – já temos duas pessoas garantidas, tem mais gente que é simpática a gente, mas tem umas garantidas lá, que são pessoas que não têm, não dão voto com sangue nos olhos, tem mais duas vagas para o ano que vem – talvez você descarte essa sugestão. Se não for possível descartar, você vê como é que fica”, disse Bolsonaro.

As “duas pessoas garantidas” seriam os ministros Kassio Nunes Marques e André Mendonça, indicados ao STF por Bolsonaro. O presidente também mencionou as aposentadorias, em 2023, dos ministros Ricardo Lewandowski e Rosa Weber.

Na última sexta-feira 7, o vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos), senador eleito pelo Rio Grande do Sul, repetiu Bolsonaro nas críticas ao Supremo. Segundo ele, “não é só uma questão de aumentar o número de cadeiras na Suprema Corte”.

“Eu vejo que a gente tem que trabalhar em cima do que são as decisões monocráticas, temos que trabalhar em cima do que vem a ser um mandato para os mandatários da Suprema Corte. Eu acho que não pode ser algo até os 75 anos, né? Ou 10, 12 anos, tem que ser discutido.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.