Lava Jato: Moro omitiu palestra remunerada quando ainda era juiz

Desde 2016 o CNJ obriga os juízes de todas as instâncias a registrarem informações sobre palestras e outros eventos

Foto: Lula Marques

Foto: Lula Marques

Justiça,Política

O ministro da justiça Sérgio Moro realizou, quando ainda era juiz da operação Lava Jato em setembro de 2016, uma palestra remunerada para o grupo de comunicação Sinos. Entretanto, o jurista omitiu o evento ao prestar contas de suas atividades ao Estado. Foi o que mostrou a reportagem da Folha de S. Paulo, em parceria com o The Intercept Brasil, divulgada neste domingo 04.

A reportagem teve acesso a conversas entre o ex-juiz com o procurador do MPF, Deltan Dallagnol.  No dia 22 de de maio de 2017, Moro disse a Deltan que um executivo do grupo de comunicação Sinos queria seu contato para fazer um convite.

 

“Ano passado dei uma palestra lá para eles, bem organizada e bem paga”, escreveu o juiz. “Passa sim!”, respondeu o coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Desde 2016 o Conselho Nacional de Justiça obriga os juízes de todas as instâncias a registrarem informações sobre palestras e outros eventos que podem ser classificados como “atividades docentes” pelas normas aplicadas à magistratura.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, responsável pela revisão dos processos da primeira instância do Paraná, informou à Folha que Moro declarou ter participado de 16 eventos externos em 2016, incluindo 9 palestras, 3 homenagens e 2 audiências no Congresso Nacional. O que não inclui a palestra remunerada realizada no grupo Sinos, no qual o tema era combate à corrupção.

Em seu Twitter, o ministro se justificou dizendo que todo o cachê arrecadado na palestra foi doado para uma instituição de caridade.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem