Política

Justiça mantém na prisão militantes do MTST

Integrantes do movimento foram indiciados por explosão, incêndio e incitação ao crime. Guilherme Boulos aponta “motivação política” nas detenções

Apoie Siga-nos no

Em nome da “ordem pública”, a juíza Marcela Filus Coelho manteve na cadeia três militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, detidos em São Paulo durante protestos que marcaram a greve geral da sexta-feira 28.

Luciano Antônio Firmino, Ricardo Rodrigues dos Santos e Juracy Alves dos Santos foram indiciados por explosão, incêndio criminoso e incitação ao crime. Outros três integrantes do movimento presos no mesmo ato, a interrupção do tráfego na Radial Leste, na Grande São Paulo, durante a manhã da sexta, foram soltos.

De nada valeram os apelos de parlamentares e intelectuais que acompanharam os desdobramentos no distrito policial de Itaquera e os recursos dos advogados do MTST. Segundo a magistrada, os indiciados cometerem crimes dolosos.

A imputação de incêndio criminoso prevê uma pena de quatro anos de prisão, ressaltou Marcela Coelho em seu despacho. Os militantes são os únicos detidos durante a greve geral em todo o País a continuar atrás das grades.

Guilherme Boulos, coordenador do MTST, vê motivação política na manutenção das prisões.

A única “prova” contra os militantes, afirma, são os relatos de Polícias Militares que estavam na Radial Leste para dispersar o protesto dos trabalhadores. “É um caso gravíssimo. Temos neste momento três presos políticos”, diz Boulos. Como a greve geral foi ato de um único dia e se encerrou na própria sexta, lembra o militante social, faltam razões para a juíza invocar a “ordem pública” e manter as prisões.

O indiciamento é mais uma mostra do endurecimento da Justiça e da polícia na repressão aos movimentos sociais. No ano passado, militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra foram indiciados em Goiás e no Paraná por supostamente integrarem uma “organização criminosa”. Em consequência, acabaram enviados a presídios.

No início de 2017, Boulos foi detido durante um protesto do MST em São Paulo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo