Política

Ipec na Paraíba: João Azevêdo lidera com folga a corrida ao governo

Na disputa por uma vaga no Senado, Ricardo Coutinho tem 10 pontos de vantagem sobre o 2º colocado

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa Ipec divulgada nesta segunda-feira 29 aponta a liderança de João Azevêdo (PSB) na corrida ao governo da Paraíba.

Candidato à reeleição, o pessebista tem 16 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, Pedro Cunha Lima (PSDB).

Confira os números da pesquisa estimulada:

  • João Azevêdo (PSB): 32%
  • Pedro Cunha Lima (PSDB): 16%
  • Nilvan Ferreira (PL): 15%
  • Veneziano Vital do Rêgo (MDB): 14%
  • Adjany Simplicio (PSOL): 1%
  • Adriano Trajano (PCO): 1%
  • Major Fábio (PRTB): 1%
  • Brancos/Nulos: 12%
  • Não sabem/Não responderam: 8%

Antônio Nascimento (PSTU) não atingiu 1%.

Na disputa por uma vaga no SenadoRicardo Coutinho (PT) lidera com 10 pontos de vantagem sobre o segundo.

Confira os resultados:

  • Ricardo Coutinho (PT): 30%
  • Efraim Filho (União Brasil): 20%
  • Pollyanna Dutra (PSB): 8%
  • Bruno Roberto (PL): 5%
  • Manoel Messias (PCO): 2%
  • Sérgio Queiroz (PRTB): 2%
  • Alexandre Soares (PSOL): 1%
  • André Ribeiro (PDT): 1%
  • Brancos/Nulos: 18%
  • Não sabem/Não responderam: 13%

O Ipec entrevistou 800 pessoas em 36 municípios paraibanos entre 26 e 28 de agosto de 2022. A margem de erro é de três pontos percentuais, considerando um nível de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba sob o número PB04909/2022 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o código Nº BR-05400/2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo