Política

Invasores conheciam o interior da Câmara e do Planalto, diz interventor do DF

Policiais destacaram ter enfrentado profissionais com ‘conhecimento de táticas de combate’ durante os atos terroristas

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O interventor federal na segurança pública do Distrito Federal, Ricardo Cappelli, afirmou nesta segunda-feira 16 que há indícios de que os responsáveis pela invasão às sedes dos Três Poderes conheciam o interior do Palácio do Planalto e da Câmara dos Deputados.

As pessoas que invadiram a Câmara e o Planalto tinham conhecimento dos locais, conheciam as plantas. Isso, a investigação está apurando e vai nos auxiliar a identificar as pessoas”, declarou Cappelli. “O processo está em curso, comandado pela Polícia Federal com apoio da Polícia Civil”.

Ao lado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e da governadora do DF em exercício, Celina Leão (PP), o interventor revelou o que disse sargento ferido durante os atos terroristas.

“Ele declarou: ‘Nós não estávamos enfrentando apenas manifestantes. Existiam homens no campo de batalha com conhecimento do terreno, conhecimento de táticas de combate, características de profissionais. Eram homens profissionais no meio dos manifestantes'”, contou Cappelli. “É um depoimento valioso. Estamos apurando”.

Ainda segundo o interventor, o Exército, em conjunto com a Polícia Civil do DF e a Polícia Federal, está atuando em “perfeita sintonia” para a identificação dos terroristas responsáveis pelo vandalismo do último dia 8. 

Também está marcada para esta segunda-feira 16,a audiência de custódia com o balanço dos números de presos pelos atos até o momento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo