Política

Intercept: enquanto zombava de Lula, Moro dava instruções à acusação

Ex-juiz se queixou de ‘showzinho da defesa’ e sugeriu nota à acusação, diz site em novo vazamento

Sergio Moro em Brasília (Foto: ABr)
Sergio Moro em Brasília (Foto: ABr)
Apoie Siga-nos no

A conduta de Sérgio Moro no julgamento do ex-presidente Lula ganhou novos questionamentos com mais vazamentos noticiados pelo portal The Intercept Brasil, na noite desta sexta-feira 14. O fato novo: enquanto presidia o processo, Moro zombava do réu, Lula, em chat privado e, ao mesmo tempo, sugeria à Lava Jato emitir uma nota oficial contra a defesa do ex-presidente. A proposta foi acatada.

Em trecho do diálogo entre Moro e o então procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, o ex-juiz chegou a citar o que chamou de “showzinho” da defesa de Lula após o depoimento do ex-presidente no caso do triplex do Guarujá.

O episódio ocorreu, segundo o site, em 10 de maio de 2017, na época em que Moro já presidia o processo. Às 22h04, o ex-juiz digitou a Santos Lima: “O que achou?”, em referência ao depoimento de Lula no processo, um acontecimento de grande repercussão naquele período.

O procurador teria dito que “achou bom”, e, minutos depois, Moro sugeriu: “Talvez vocês devessem amanhã editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele / Por que a Defesa já fez o showzinho dela”. Prontamente, Santos Lima teria aceitado a sugestão e dito que conversaria com “o pessoal”.

A reportagem do The Intercept Brasil aponta contradição com o discurso de Moro durante o julgamento de Lula. Se, antes da audiência, caçoava da defesa do réu e sugeria notas à parte da acusação, diante de Lula, ele dizia que não tinha nenhuma desavença pessoal contra o senhor ex-presidente” e deixava claro que “quem faz a acusação nesse processo é o Ministério Público, e não o juiz”.

Conselho dado e acatado

Em outra conversa, o procurador Deltan Dallagnol aparece parabenizando Moro por ter “mantido controle da audiência de modo sereno e respeitoso”. Além disso, diz que a emissora GloboNews teria exibido contradições de Lula e que seguiria acompanhando a repercussão na imprensa. Moro, então, aconselhou: “Beleza. Também tenho minhas dúvidas da pertinência de manifestação, mas é de se pensar pelas sutilezas envolvidas”.

Os procuradores, então, na esteira da proposta do então juiz, distribuíram uma nota à imprensa, que foi noticiada pelos principais veículos e agências do país.

Procurada pelo Intercept, a assessoria do ministro Sérgio Moro declarou, nesta sexta, que Moro não comentará “supostas mensagens de autoridades públicas colhidas por meio de invasão criminosa de hackers”. O posicionamento também considera que o conteúdo pode ter sido adulterado. O Ministério Público Federal do Paraná não respondeu ao veículo.

Hoje, o ministro da Justiça confirmou que trocou informações com o procurador Deltan Dallagnol e classificou o ato como um “descuido”.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.