Justiça

Guedes foi protegido pela Lava Jato em investigação por lavagem de dinheiro

Na época da denúncia, o atual ministro da Economia estava em pré-campanha presidencial com Jair Bolsonaro e ficou de fora do rol de acusados

Apoie Siga-nos no

O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi protegido pela Operação Lava Jato quando ainda participava da campanha presidencial de Jair Bolsonaro. A força-tarefa descobriu que uma empresa de Guedes fez pagamento a um escritório de fachada, suspeito de lavar dinheiro para esquema de distribuição de propinas a agentes públicos no governo do Paraná.

O esquema foi divulgado nesta terça-feira 20 pelo jornal Folha de S. Paulo. A força-tarefa da operação em Curitiba apresentou denúncia sobre o caso em abril de 2018 e não incluiu no rol de acusados Guedes ou outros representantes de sua empresa.

Na campanha, Bolsonaro apresentava Guedes como seu “Posto Ipiranga”, utilizando um jargão publicitário para justificar seu desconhecimento da área econômica e mostrar que quem iria comandar esse assunto era o economista, que sempre manteve boa relação com o mercado financeiro por defender uma política liberal. Se Guedes fosse denunciado, a eleição de Bolsonaro corria riscos.

 

O repasse de 560,8 mil foi feito em 2007 pela GPG Consultoria, da qual Guedes foi sócio-administrador entre novembro de 2005 e outubro do ano passado, à Power Marketing Assessoria e Planejamento, operada por um assessor do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB-PR).

Essa rede, segundo os investigadores, emitia notas fiscais frias apenas para justificar o recebimento de dinheiro e gerava recursos em espécie para o pagamento de subornos.

O pagamento da empresa de Guedes foi feito em 14 de agosto de 2007. Sete dias depois, Nasser sacou 500 mil da conta da empresa. Naquela época, além de sócio da GPG, Guedes era acionista e integrante do Conselho de Administração da TPI, uma das empresas do Grupo Triunfo envolvidas no esquema.

Procurada pela Folha de S. Paulo, a Lava Jato informou, em nota, que a denúncia de abril “teve por objeto empresas e pessoas em relação às quais havia prova robusta dos crimes e de sua autoria”. Os advogados de Paulo Guedes não deram detalhes sobre serviços prestados pela Power Marketing à GPG.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.