Política

Guajajara diz que governo deve demarcar 14 Terras Indígenas em 2023

Em entrevista ao programa Roda Viva, a ministra considerou que a paralisação da demarcação foi uma política pública do governo anterior

Foto: Reprodução/TV Cultura
Apoie Siga-nos no

A ministra dos Povos Originários, Sonia Guajajara afirmou na segunda-feira 20 que o governo federal vai demarcar 14 terras indígenas ainda neste ano. A declaração foi dada durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

“Nos últimos quatro anos, a paralisação da demarcação de terras indígenas foi uma política pública”, disse a ministra ao lembrar o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). “Vamos assinar essas quatorze terras este ano, sem dúvidas”.

No primeiro ano de gestão, em 2019, o ex-presidente afirmou que não daria segmento a qualquer processo de demarcação de terras indígena no País. Na época, ele considerou que o percentual de terra destinado aos povos indígenas (cerca de 14%) era “suficiente”. 

Na conversa, Guajajara declarou ainda que a demarcação é “crucial” e pode ser considerada “um passivo do Estado brasileiro” com os povos indígenas.

Situação da Terra Indígena Yanomami

A ministra fez ainda um balanço sobre a situação na Terra Indígena Yanomami. Para Guajajara, embora o povo viva uma situação grave de saúde pública, com casos de desnutrição aguda, malária e óbitos, a raíz do problema na região é o garimpo ilegal.

“Para resolver a questão da saúde, tem que se resolver primeiro a questão dos invasores”, disse Guajajara. “Foram muitas denúncias e tentativas para alcançar o apoio público, e tudo foi ignorado”.

Guajajara afirmou que a prioridade do Ministério dos Povos Indígenas é finalizar a elaboração de um plano de atendimento permanente ao povo Yanomami.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo