CartaExpressa

Deputada Amália Barros, do PL de Mato Grosso, morre aos 39 anos

Parlamentar, amiga de Michelle Bolsonaro e vice do PL Mulher, estava internada desde o dia 1º de maio

Morre, aos 39 anos, a deputada federal Amália Barros (PL-MT). Foto: Renato Araújo/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Amália Barros (PL-MT) morreu, aos 39 anos, em São Paulo, na madrugada deste domingo. A informação foi confirmada pela equipe da parlamentar em um post nas redes sociais.

Amália estava internada desde o dia 1º de maio por conta de um nódulo no pâncreas. Desde aquele dia, ela seguia “em estado grave e sob cuidados intensivos” no Hospital Vila Nova Star.

Nesse período, a deputada chegou a ser submetida a uma cirurgia no dia 2. Poucas horas antes do anúncio da morte, a equipe da política informou que ela passaria por um novo procedimento para tratar de complicações no fígado.

Amália Barros tinha 39 anos e nasceu na cidade paulista de Mogi Mirim. Ela era formada em jornalismo e conhecida por ser monocular desde os 20 anos, após uma infecção por toxoplasmose. Uma lei com seu nome foi sancionada em 2021, pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL), que reconheceu a condição como deficiência sensorial, do tipo visual.

No ano seguinte, Amália foi eleita deputada federal com cerca de 70 mil votos, no Mato Grosso. Amiga pessoal de Michelle Bolsonaro, ela ocupava atualmente o cargo de vice da ex-primeira-dama no comando do PL Mulher. Michelle usou as redes para comentar o falecimento da amiga:

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.