Política

Governo se cala e empresário bolsonarista assume vídeo pró-golpe

Em comunicado, Osmar Stabile se apresentou como “patriota e entusiasta do contragolpe preventivo” e eleitor de Bolsonaro

Apoie Siga-nos no

Em meio a polêmicas e ameaças judiciais, o vídeo pró-golpe divulgado no domingo 31 pelo Palácio do Planalto ganhou um ‘pai’. Nesta terça-feira 2, o empresário paulista Osmar Stabile se apresentou publicamente como financiador da peça.

O advogado do empresário afirma que o vídeo foi pago com recursos próprios, mas prefere não divulgar detalhes comerciais da produção. “O que eu posso dizer é que não tem um centavo de dinheiro público e nem envolvimento de nenhuma ONG ou instituição”, diz o advogado Piraci Oliveira a CartaCapital.

De acordo com o advogado, empresário já patrocinou dezenas de vídeos pró-Bolsonaro (Foto: Reprodução)

Segundo ele, Stabile já patrocinou “dezenas de vídeos favoráveis à sua posição política”, e costuma compartilhá-lo com amigos no WhatsApp. A reportagem pediu acesso a outros vídeos patrocinados pelo empresário, mas o advogado negou.

Stabile é dono de empresas do setor metalúrgico. Há dois anos, se candidatou à presidência do Corinthians, mas desistiu um dia antes da eleição.

Leia também: PT vai à Justiça contra divulgação de vídeo pró-ditadura pelo governo

Em comunicado, Stabile se apresentou como “patriota e entusiasta do contragolpe preventivo”, mas reforça que não pretendia “mexer com os brios, dores e sentimentos daqueles que se dizem perseguidos pelas Forças do Estado naquele importante período da nossa história”.

E completa: “Tenho o total direito de expor minha opinião de forma livre”, defende. “Não pretendo fazer revisionismo histórico algum com o meu vídeo. Só tive e tenho a intenção de mostrar a outra face da moeda.”

Confira na íntegra:

https://www.cartacapital.com.br/wp-content/uploads/2019/04/DECLARAÇÃO-OSMAR-STABILE.pdf

Leia também: Mourão atribui vídeo pró-golpe a Bolsonaro: “decisão do presidente”

Entenda o caso

No domingo 31, o canal oficial do Palácio do Planalto no WhatsApp compartilhou um vídeo apócrifo, em que um senhor já idoso defende o golpe militar. “O Exército salvou o Brasil”, diz ele. A razão da ruptura democrática, conforme narra o ator, era necessidade de combater uma revolução comunista que estava prestes a acontecer.

Ele diz ainda que havia um clima de “medo e ameaça” causado por supostos crimes cometidos por comunistas, como sequestros e assassinatos, além de “greves nas fábricas”. E que o movimento que levou os militares a tomarem o poder teria partido da mídia e do “povo de verdade — pais, mães, Igreja”.

Thais Reis Oliveira

Thais Reis Oliveira
Editora-executiva do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.