Política

Governo Lula escolhe petista ligado ao MST para comandar a Conab

O órgão ficará vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar e não mais à pasta da Agricultura

Edegar Pretto. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) decidiu transferir a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, comandado por Paulo Teixeira (PT). O órgão era vinculado à pasta da Agricultura.

Nesta sexta-feira 6, o ministro irá anunciar o nome do ex-deputado estadual pelo Rio Grande do Sul Edegar Pretto (PT) como presidente da companhia, que é responsável por fornecer dados para embasar as políticas de abastecimento do País.

Como noticiou CartaCapital, a gestão petista começou a definir nesta semana os quadros que vão compor o segundo escalão do governo. Em jogo estão cargos em secretárias de ministérios, empresas estatais e bancos públicos.

Pretto, que foi candidato ao governo do RS em 2022, era um dos cotados para assumir o Ministério do Desenvolvimento Agrário por sua ligação com Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O seu pai, o ex-deputado Adão Pretto – falecido em 2009 -, foi um dos fundadores do movimento.

Além do PT, partidos que apoiaram Lula desde o primeiro turno da eleição e ficaram de fora dos ministérios devem ser contemplados com cargos do segundo escalão.

Entre as siglas estão Solidariedade, PV, Avante, PROS e Agir, que faziam parte da Coligação Brasil da Esperança junto com PT, PSB, PCdoB, Rede e PSOL.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo