General Heleno diz que Brasil pode retaliar países que fizerem boicote por questão ambiental

Grupo de países europeus enviou carta ao governo cobrando medidas urgentes para conter avanço do desflorestamento na Amazônia

(Foto: Fábio Pozzebom/Agencia Brasil)

(Foto: Fábio Pozzebom/Agencia Brasil)

Política

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, não descartou a possibilidade de o Brasil retaliar os países que boicotem produtos brasileiros devido às questões ambientais. A declaração foi dada em entrevista à Rádio Bandeirantes, nesta terça-feira 22.

“É uma medida que, obviamente, pode estar na mira do governo brasileiro. Só que é o tal negócio: você já comprou alguma coisa finlandesa, norueguesa, sueca? Eu não me lembro de ter produtos na minha casa. Alemã muita coisa, esse é um que até valia a pena. Não quero citar países, tenho medo de criar um problema diplomático e ser injusto. Para você criticar alguma coisa, tem que conhecer”, disse.

Na semana passada, um grupo de países europeus, reunidos na Parceria das Declarações de Amsterdã, enviou uma carta aberta ao governo brasileiro cobrando medidas urgentes para conter o avanço do desflorestamento da Amazônia.

Durante a entrevista, Heleno ainda disse que há uma pequena parcela de brasileiros interessados em derrubar o governo Bolsonaro.

“Que não admite alternância no poder. Nunca imaginaram que o Bolsonaro podia ganhar a eleição e se surpreenderam com a vitória dele. Aí disseram: ‘esse aí a gente derruba em um mês’. Os meses estão passando e a popularidade do presidente está crescendo. O tempo está passando e os meios legais estão se tornando cada vez mais distantes para derrubar o presidente da República”, completou o general.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem