Política

Fernando Henrique se irrita declarações de Gilberto Carvalho

“Estou cansado de ouvir leviandades de quem está no governo”, disse o ex-presidente após críticas à atuação da PF em seu governo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso
Apoie Siga-nos no

Marcos Chagas


Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reagiu às declarações do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, segundo as quais, antes do governo Lula, a Polícia Federal não tinha independência. Carvalho disse que nos governos anteriores “havia o ‘engavetador-geral’ da República”, após um evento em Brasília.

“Eu tenho 81 anos mas tenho memória. Esse senhor precisava pelo menos respeitar o passado, até o dele, e não continuar dizendo coisas levianas. Estou cansado de ouvir leviandades de quem está no governo e aproveita para lançar pedra no passado”, rebateu Fernando Henrique que participa de um evento de prefeitos do PSDB, em Brasília.

O ex-presidente acrescentou que a “herança maldita” foi recebida pela presidenta Dilma Rousseff. Segundo ele, o atual governo leva mais tempo “para corrigir malfeitos” que teria herdado do governo Lula.

Fernando Henrique disse ainda que, quando assumiu o governo em 1994, encontrou a Polícia Federal brigando, dividida e com a escola de treinamento desativada. Ele acrescentou que coube ao seu então ministro da Justiça, Nelson Jobim, a tarefa de reestruturar a Polícia Federal.

Quanto à independência do órgão, Fernando Henrique lembrou que várias autoridades ficaram irritadas pelas ações desenvolvidas pela Polícia Federal, durante seu governo. “Tanto era independente que houve senadores algemados e governadora de estado irritada porque seu gabinete tinha sido invadido, pois havia dinheiro e não se sabia de onde vinha”.

 

*Matéria originalmente publicada na Agência Brasil

Marcos Chagas


Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reagiu às declarações do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, segundo as quais, antes do governo Lula, a Polícia Federal não tinha independência. Carvalho disse que nos governos anteriores “havia o ‘engavetador-geral’ da República”, após um evento em Brasília.

“Eu tenho 81 anos mas tenho memória. Esse senhor precisava pelo menos respeitar o passado, até o dele, e não continuar dizendo coisas levianas. Estou cansado de ouvir leviandades de quem está no governo e aproveita para lançar pedra no passado”, rebateu Fernando Henrique que participa de um evento de prefeitos do PSDB, em Brasília.

O ex-presidente acrescentou que a “herança maldita” foi recebida pela presidenta Dilma Rousseff. Segundo ele, o atual governo leva mais tempo “para corrigir malfeitos” que teria herdado do governo Lula.

Fernando Henrique disse ainda que, quando assumiu o governo em 1994, encontrou a Polícia Federal brigando, dividida e com a escola de treinamento desativada. Ele acrescentou que coube ao seu então ministro da Justiça, Nelson Jobim, a tarefa de reestruturar a Polícia Federal.

Quanto à independência do órgão, Fernando Henrique lembrou que várias autoridades ficaram irritadas pelas ações desenvolvidas pela Polícia Federal, durante seu governo. “Tanto era independente que houve senadores algemados e governadora de estado irritada porque seu gabinete tinha sido invadido, pois havia dinheiro e não se sabia de onde vinha”.

 

*Matéria originalmente publicada na Agência Brasil

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo