Educação

Extrema-direita, prisão na Lava Jato e democracia: o discurso de Lula no encerramento da Conae

O pronunciamento do presidente também teve críticas ao homeschooling e menções à falta de uma base confortável no Congresso

O presidente Lula participa do último dia da Conae 2024. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) participou, nesta terça-feira 30, do encerramento da Conferência Nacional de Educação, a Conae 2024.

O evento, que aconteceu no Centro Comunitário Athos Bulcão, na Universidade de Brasília, contou com a presença de ministros e de representantes de sindicatos e organizações estudantis.

Em seu discurso, Lula fez uma breve análise sobre o recente avanço da extrema-direita global e o impacto desse movimento na educação.

“A gente vê crescer a extrema-direita pelo mundo inteiro. Estados Unidos, Europa, América Latina… Uma extrema-direita irresponsável, que mente o dia inteiro sobre tudo e utiliza a boa-fé religiosa do nosso povo, a espiritualidade santa do nosso povo para fazer política”, afirmou.

O petista também criticou o projeto defendido pelo ex-presidente e por diversos parlamentares bolsonaristas sobre a educação domiciliar, conhecida como homeschooling.

“Nós tínhamos um cidadão que não gostava de escola pública, que gostaria que as pessoas pudessem ter aula em casa. Só uma pequena parte poderia dar aula em casa”, reforçou Lula. “Depois queria transformar o Brasil em um país de escola cívico-militar, possivelmente cansado com as próprias denúncias e mentiras que se contava sobre a educação neste País.”

O presidente afirmou viver seu melhor momento e avaliou que o Brasil amadureceu politicamente nos últimos anos. “Eu sei que para quem não passou parece pouco, mas para mim, que passei 580 dias na PF, ouvindo todo santo dia, de segunda a segunda, ‘bom dia, presidente Lula’, eu aprendi muito mais do que eu já sabia sobre a importância da democracia.”

Lula ainda criticou as constantes reduções no investimento em educação nos últimos anos. Desde a aprovação do último Plano Nacional de Educação, de 2014, a média de investimento no setor era de 6% do Produto Interno Bruto. No entanto, em 2022, sob a gestão de Jair Bolsonaro (PL), o valor caiu para 5%.

Lula anotou que, apesar dos planos do governo federal para a educação, “o cobertor não é tão grande”. Ele reforçou, assim, a necessidade de aumentar a arrecadação fiscal.

Além disso, frisou a necessidade de seus apoiadores refletirem sobre as negociações com o Congresso Nacional. Para o petista, de nada adiantaria “brigar” e perder.

“É importante lembrar que nós somos minoria no Congresso Nacional. A gente não pode perder de vista”, prosseguiu. “Uma coisa é o discurso que eu faço aqui, outra coisa é quando eu olho no Congresso e não tem 120 deputados.”

A Conae é um fórum de discussão para identificação de problemas e necessidades dos diversos personagens envolvidos na educação no Brasil.

O tema desta edição foi Plano Nacional de Educação 2024-2034: política de Estado para garantia da educação como direito humano com justiça social e desenvolvimento socioambiental sustentável.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.