CartaExpressa

Ex-senador xingado por Bolsonaro admite ter feito pix de R$ 1 mil para ajudar o ex-presidente

A reconciliação entre Bolsonaro e Arthur Virgílio foi selada nas eleições de 2022, quando o amazonense decidiu declarar apoio ao então candidato

Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

De desafeto a simpatizante, o ex-senador Arthur Virgílio (sem partido-AM) disse ter doado 1 mil reais ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) via Pix durante a campanha de arrecadação organizada por bolsonaristas para ajudar o capitão reformado.

A declaração do ex-prefeito de Manaus foi publicada em uma rede social na terça-feira 23, após a CNN Brasil divulgar que a Polícia Federal poderia cruzar dados para identificar os responsáveis pelas doações para Bolsonaro, que totalizaram 17,2 milhões.

“Colaborei com R$ 1000,00 (hum mil reais) e não precisam lavar o meu dinheiro, porque ele é e será sempre limpo”, escreveu o ex-tucano.

A relação entre os dois, vale dizer, nem sempre foi amistosa. Em 2020, Bolsonaro chegou a chamar Virgílio de “bosta” pelas políticas sanitárias adotadas durante a pandemia de covid-19 em Manaus – à época, o País atingia recordes diários de mortos e o então prefeito da capital amazonense havia determinado a abertura de covas coletivas para comportar as vítimas do vírus na cidade.

“Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né?”, disse o ex-presidente.

O discurso de Bolsonaro aconteceu durante uma reunião interministerial em abril de 2022, cujo conteúdo foi divulgado por ordem do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. No encontro, o ex-capitão também disparou contra os governadores João Dória (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro).

A reconciliação entre Bolsonaro e Virgílio foi selada nas eleições de 2022, quando o amazonense decidiu declarar apoio ao então candidato à reeleição. Para justifcar a aliança, o ex-senador destacou que seria “impossível” apoiar alguém contrário à privatização da Petrobras – numa referência a Lula (PT).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo