Política

Ex-aliada de Bolsonaro, Sara Winter afirma que Planalto orientava ataques ao STF

Em entrevista à revista IstoÉ, Sara apontou que parlamentares bolsonaristas ajudavam a mobilizar discursos extremistas

A militante de extrema-direita, Sara Winter. Foto: Reprodução
A militante de extrema-direita, Sara Winter. Foto: Reprodução

A ativista e ex-aliada do governo federal, Sara Winter, afirmou que a orientação para que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro atacasse o Supremo Tribunal Federal partiu de dentro do Planalto. A declaração foi feita em uma entrevista a revista IstoÉ, publicada nesta sexta-feira 19. 

Á revista, a ativista contou detalhes das articulações do “Acampamento dos 300”, que se instalou em Brasília, em maio de 2020 e garantiu que parlamentares, ministros e o presidente a orientaram para atacar a imprensa, a Suprema Corte e o então presidente da Câmara, Rodrigo Maia. 

O grupo, formado por apoiadores do presidente, marchou em direção ao STF com tochas de fogo, em uma alusão ao grupo supremacista americano Ku Klux Klan. Sara chegou a ser presa por conta do ato. 

De acordo com Sara, Daniel Silveira (PTB-RJ), Carla Zambelli (PSL-SP), Sargento Fahur (PSL-PR) e Bia Kicis (PSL-DF) foram muito presentes na organização, além do ministro-chefe do Gabinete de Segurança, general Augusto Heleno.

O general Heleno, ainda teria a chamado ao Palácio do Planalto para passar orientações. “Ele pediu para deixar de bater na imprensa e no Maia e redirecionar todos os esforços contra o STF”, declarou Sara.

Em outro momento da entrevista, Sara deixou claro a influência direta do presidente sobre o grupo. Ela pontuou que houve um combinado para que nada respingasse no presidente. 

Sara não é mais ativista do governo federal e afirmou que tem medo de represálias do governo federal. 

“Em janeiro eu anunciei que eu ia contar tudo que eu sabia sobre o bolsonarismo. O Planalto surtou e fez uma reunião ministerial. A Damares foi chamada. Eu não sabia o que eles tinham tanto medo do que eu possa tornar público”, diz ela, que planeja ir com o filho morar no México.

Sobre os filhos do presidente, especialmente Carlos e Eduardo, Sara contou que os dois atuam como cães de guarda do capitão. “Quem tem destaque na direita, eles cooptam ou destroem”, diz.

A ex-aliada ainda se mostrou arrependida do apoio ao governo.  “Não tem mais como defender Bolsonaro. Mas se ele pedir para os bolsonaristas comerem merda, as pessoas vão comer”, disse.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!