Política

Embate com Flávio, caso Marielle e ‘intimidação’: o que disse (até agora) Witzel na CPI da Covid

Ante a presença de deputados bolsonaristas, senadores da comissão chegaram a oferecer uma ‘sessão reservada’ ao ex-governador do Rio

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A sessão da CPI da Covid nesta quarta-feira 16, marcada pela oitiva do ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, teve um momento de tensão no início da tarde. O episódio foi protagonizado pelo senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), que foi à Casa acompanhado por deputados federais da tropa de choque bolsonarista, como Hélio Lopes (PSL-RS), Luiz Lima (PSL-RJ) e Otoni de Paula (PSC-RJ).

A presença de deputados na sessão do Senado foi denunciada pela defesa de Witzel, que apresentou uma questão de ordem ao presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), em que pediu a retirada dos bolsonaristas.

O vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), manifestaram preocupação com uma possível tentativa de intimidação contra Witzel. Ofereceram, inclusive, uma “sessão reservada” ao ex-governador, com a presença apenas dos senadores do colegiado. “É uma possibilidade constante do Código de Processo Penal”, disse Randolfe.

“Não tenho nenhum problema em estar na presença do senador Flávio Bolsonaro. Conheço a sua família, a sua mãe, o seu pai. E a minha questão aqui não é pessoal, mas institucional, em defesa da democracia. Se o senhor fosse um pouquinho mais educado e menos mimado, teria respeito pelo que eu estou falando”, disse Witzel, dirigindo-se a Flávio.

Calheiros perguntou a Witzel se ele se sentia “inibido” com a presença dos bolsonaristas, ao que o ex-governador respondeu com: “Não sou o porteiro”. Essa declaração remonta à investigação sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco.

Trata-se de menção ao porteiro do condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, onde o presidente Jair Bolsonaro tem uma casa. Em depoimento à Polícia Civil, o funcionário afirmou que autorizou a entrada no local de Elcio Queiroz – um dos acusados pela morte de Marielle – após anuência de “Seu Jair”, no dia do assassinato da veredora do PSOL.

Em 2019, o então ministro da Justiça, Sergio Moro, pediu à Procuradoria-Geral da República a abertura de um inquérito para investigar o depoimento do porteiro. A PGR acolheu a solicitação.

Posteriormente, o porteiro recuou da oitiva e disse ter se enganado ao registrar a entrada de Elcio na casa 58, que pertence a Bolsonaro. Em novo depoimento, desta vez à Polícia Federal, não confirmou que “Seu Jair” foi o responsável por autorizar a entrada de Élcio.

Nesta quarta, Witzel recuperou o episódio. “O porteiro, uma pessoa simples, prestou depoimento à Polícia Civil. Logo depois o ministro Moro, de forma criminosa, requisita um inquérito para investigar crime de segurança nacional porque o porteiro prestou depoimento para dizer que o executor da Marielle teria chegado no condomínio e mencionado o nome do presidente. Se isso é verdade ou não, não é problema meu, não tenho nada a ver com isso”, iniciou.

“Agora, o porteiro, que estava como testemunha, recebe uma intimação da Polícia Federal, que infelizmente não estou reconhecendo, há requisição do ministro da Justiça, o procurador-geral da República instaura inquérito para acuar. Eu sou jurista. É eminentemente uma coação da testemunha no curso do processo”, acrescentou.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!