Embaixador chinês rebate Guedes e lembra que país é principal fornecedor de vacinas

Ministro da Economia afirmou que o coronavirus foi criado pela nação asiática e seus imunizastes são menos eficazes

MINISTRO PAULO GUEDES. FOTO: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

MINISTRO PAULO GUEDES. FOTO: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

Política

O embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, rebateu o ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou na terça-feira 27 que o país asiático criou o coronavírus e produziu vacinas de baixa eficácia.

 

 

“Até o momento, a China é o principal fornecedor das vacinas e os insumos ao Brasil, que respondem por 95% do total recebido pelo Brasil e são suficientes para cobrir 60% dos grupos prioritários na fase emergencial. A Coronavac representa 84% das vacinas aplicadas no Brasil”, escreveu o embaixador em uma rede social.

A declaração de Guedes criou mais um desconforto diplomático com o principal parceiro comercial do Brasil. O ministro chegou a pedir desculpas e classificou sua colocação como infeliz.
“Hoje usei uma imagem infeliz”, disse o ministro, que argumentou estar falando sobre “como é importante que setor privado colabore no combate à pandemia”. “É uma imagem que não tinha nenhum objetivo (de ofender)”, acrescentou.

Segundo Guedes, é sabido que o vírus veio de uma região da China – os primeiros casos foram detectados em Wuhan, ainda no fim de 2019 – e, portanto, a população já havia sido exposta à doença.

“Foi nesse sentido que eu disse, um vírus que vem de fora e atinge economia de mercado”, disse. “Quis mostrar a importância do setor privado, de como consegue produzir respostas.”

O ministro afirmou ainda ser “grato” à China por ter enviado a vacina ao Brasil e ressaltou que foi imunizado com a Coronavac. Ele tomou a primeira dose em 27 de março, e a segunda, no último domingo 25. “Somos muito gratos à China por ter enviado a vacina.”

Com informações da Agência Estado.
Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem