Em vídeo bizarro, Bolsonaro nega que militares mataram pai do presidente da OAB

Segundo o presidente da República, Fernando Santa Cruz foi executado por militantes de esquerda, e não por militares

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Política

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que militantes de esquerda executaram Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A declaração ocorreu nesta segunda-feira 29, em transmissão ao vivo no Facebook, enquanto o presidente cortava o cabelo.

O presidente negou que Fernando tenha sido assassinado por militares, durante a ditadura de 1964. Segundo Bolsonaro, os responsáveis foram integrantes do movimento Ação Popular.

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Monday, July 29, 2019

“O pai do Felipe Santa Cruz integrava a AP, Ação Popular de Recife. Era o grupo terrorista mais sanguinário que tinha. E esse pessoal tinha algumas ramificações pelo Brasil. E tinha uma grande no Rio de Janeiro. E o pai dele, bastante jovem ainda, veio para o Rio de Janeiro”, conta o presidente. “E o pessoal da AP no Rio de Janeiro ficou estupefato. ‘Como é que pode esse cara vir do Recife se encontrar conosco aqui?’. O contato não seria com eles, seria com a cúpula da Ação Popular do Recife. E eles resolveram sumir com o pai do Santa Cruz.”

O presidente afirmou que obteve estas informações a partir de conversas com colegas e de livros como o do Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, conhecido torturador da época da ditadura. “Qual é a tendência: se ele sabe, nós não podemos ser descobertos. Existia essa guerra naquele momento. Não foram os militares que mataram ele não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo o que acontece. Isso mudou. Mudou através do livro ‘Verdade Sufocada’, do depoimento do Brilhante Ustra, entre outras pessoas.”

Bolsonaro também criticou o presidente da OAB, chamando-o de “equivocado”. “Não quero polemizar com ninguém, não quero mexer com o sentimento do senhor Santa Cruz, porque não tenho nada em pessoal no tocante a ele. Eu acho que ele está equivocado em acreditar numa versão, apenas, do fato. Mas ele tem todo o direito de me criticar, e etc. Mas essa é a versão minha, do contato que tive com quem participou ativamente do nosso lado naquele momento, para evitar que o Brasil se transformasse numa Cuba.”

Na tarde desta segunda 29, Felipe Santa Cruz disse que Bolsonaro demonstra “crueldade” ao debochar de um assassinato de um jovem de 26 anos. Pela manhã, o presidente da República havia dito: “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto. Ele não vai querer ouvir a verdade. Eu conto para ele”.

A OAB informou que interpelará Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF), para que esclareça as informações que diz ter sobre a morte do pai de Felipe Santa Cruz. Segundo a entidade, as circunstâncias do desaparecimento nunca foram relatadas pelo Estado.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem