Política

Em SP, Lula manda recado a Bolsonaro: ‘Não vamos fazer nada com você, quem vai fazer é o povo’

A 43 dias das eleições, o petista destacou o desespero de Bolsonaro diante as pesquisas eleitorais, o uso de medidas eleitoreiras e impulsionamento de fake news

Créditos: Miguel SCHINCARIOL / AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Lula discursou no início desta tarde no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, no primeiro comício de sua campanha no estado. No palanque, Lula esteve acompanhado de seu vice, Geraldo Alckmin (PSB), do candidato ao governo de São Paulo, Fernando Haddad e sua vice, Lúcia França; do candidato ao senado por São Paulo, Márcio França (PSB); e da ex-presidenta Dilma Rousseff.

A 43 dias das eleições, impulsionado pelos resultados das últimas pesquisas eleitorais que mostram o seu favoritismo, o petista mandou um recado ao presidente Jair Bolsonaro, que tenta a sua reeleição.

“Se prepare, Bolsonaro. Não tenha preocupação com o Lula, com o Alckmin, não vamos fazer nada com você, quem vai fazer é o povo brasileiro que tá com o saco cheio de tanta mentira, injustiça e sofrimento”, disse.

“Vai sair mais pesquisa e não importa o instituto, ele [Bolsonaro] pode até contratar o dele, mas na hora que for apurar as urnas no dia 2 de outubro, vai dar uma vitória pro Lula e pro ‘Chuchu’, completou.

O presidente acusou Bolsonaro de tentar comprar votos com a liberação de recursos a setores da sociedade, temendo o resultado das eleições, mas reforçou que os benefícios têm data para acabar, dezembro, segundo o previsto pela PEC dos Auxílios.

“Ele está tentando comprar votos, a quantidade de dinheiro que ele está liberando, aumentando o auxílio emergencial, benefícios a taxistas, motoristas, até a gasolina começou a baixar, tudo com medo do Lula, de perder as eleições”, destacou.

“O PT defende que vocês recebam o dinheiro, se cair na conta de vocês, peguem logo e comprem comida para casa, porque se não pegar, depois de dezembro, o Guedes vai tomar”, acrescentou o petista.

O ex-presidente direcionou parte de seu discurso ao tema da religião, que vem sendo fortemente utilizado por Bolsonaro para descredibilizar sua campanha e alertou sobre as fake news que saem a seu respeito.

“Tem muito demônio sendo chamado de Deus e muita gente honesta sendo chamada de demônio. Gente que está fazendo da igreja um palanque político ou uma empresa para ganhar dinheiro”, criticou ao sair em defesa do estado laico.

“Eu, Lula, defendo o estado laico, o estado não tem que ter religião.Todas elas têm que ser defendidas pelo estado. Mas as igrejas não têm que ter partido político, elas tem que cuidar da fé, não da candidatura de falsos profetas e fariseus que estão enganando esse povo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo