Em SP, Bolsonaro repete ameaças golpistas, diz que Moraes já teve ‘todas as chances’ e afirma que ‘nunca’ será preso

'Não vamos mais admitir que pessoas como Moraes continuem a açoitar a nossa democracia', declarou o presidente na capital paulista

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

Política

O presidente Jair Bolsonaro proferiu na Avenida Paulista, em São Paulo, seu segundo discurso neste 7 de Setembro. Aos paulistas, ele reiterou as ameaças golpistas e os ataques ao Poder Judiciário e ao sistema eleitoral brasileiro.

 

 

O chefe do Executivo nacional também repetiu que “só Deus” o tira da cadeira de presidente.

“[Só saio] Preso, morto ou com vitória. Dizer aos canalhas que eu nunca serei preso. A minha vida pertence a Deus, mas a vitória é de todos nós”, afirmou.

“Nós devemos sim, porque eu falo em nome de vocês, determinar que todos os presos políticos sejam postos em liberdade. Alexandre de Moraes, este presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou”, prosseguiu.

O ocupante do Palácio do Planalto também voltou a atacar, sem quaisquer provas, as urnas eletrônicas e as eleições no Brasil.

“Queremos eleições limpas, democráticas, com voto auditável e contagem pública dos votos. Não podemos ter eleições em que pairem dúvidas sobre os eleitores. Não posso participar de uma farsa como essa patrocinada, ainda, pelo presidente do TSE”, disparou, em referência ao ministro Luís Roberto Barroso.

“Cada vez mais somos conservadores, respeitamos as leis e a nossa Constituição. E não vamos mais admitir que pessoas como Alexandre de Moraes continuem a açoitar a nossa democracia e desrespeitar a nossa Constituição. Ele teve todas as oportunidades para agir com respeito a todos nós, mas não agiu desta maneira e continua a não agir”, disse ainda a seus apoiadores.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem