Em SP, Bolsonaro diz ‘respeitar os bispos’, mas volta a defender armas

Durante missa no Santuário de Aparecida, onde o presidente esteve presente, arcebispos se colocaram contra o armamento da população

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

Diante de um público engajado em pautas de interesse do agronegócio, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender na manhã desta quarta-feira 13 o armamento da população brasileira. “Em nosso governo, não pude alterar lei como queria, mas alteramos decretos e portarias de modo que arma de fogo passou a ser realidade entre nós”, declarou, em evento em cerimônia de entrega de títulos de propriedades rurais em Miracatu (SP).

 

 

 

Especialistas em segurança pública, no entanto, são contrários ao armamento de civis e consideram a medida contraproducente no combate à violência. Nesta terça-feira, 12, o arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, afirmou durante missa em louvor à Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, que “pátria amada não pode ser pátria armada”.

Em Miracatu, Bolsonaro disse que a fala teria sido feita no dia 11, culpou a imprensa pela repercussão e respondeu ao religioso: “respeito os bispos, respeito a todos que tenham posição diferente da minha. Não é porque quando eu não quero uma coisa, eu acho que ninguém pode ter o direito de querer. Nós devemos nos preocupar com a nossa liberdade”.

Durante o evento, Bolsonaro ainda reforçou críticas ao julgamento do marco temporal, hoje suspenso no STF; repetiu que o governo não tem casos de corrupção, sem citar os escândalos suspeitos expostos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid; voltou a jogar a atual crise econômica no colo de governadores que tomaram medidas de contenção do coronavírus e a alta dos combustíveis na incidência do ICMS, um imposto estadual.

“Reconhecemos o preço alto para poder aquisitivo de vocês, mas quando se fala de gasolina e álcool, veja o quanto seu governador está cobrando de ICMS, em especial o de São Paulo, que aumentou ICMS em plena pandemia”, declarou o presidente, em nova crítica ao governador paulista, João Doria (PSDB), pré-candidato à Presidência, sem considerar o efeito do dólar nas alturas – com forte componente de instabilidade política.

Governadores como Doria, no entanto, comumente defendem nas redes sociais que o ICMS não teve a alíquota porcentual alterada nos últimos anos. Ainda assim, o governo, com apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), quer alterar a incidência do ICMS sobre os combustíveis, o que deve impactar o caixa dos Estados.

Eleições 2022

Bolsonaro ainda voltou a insuflar uma possível candidatura do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, em 2022. “Se vocês querem Tarcísio na política, peçam por ele”, declarou. O presidente quer Tarcísio como candidato ao governo de São Paulo, mas o chefe da Infraestrutura prefere se lançar ao Senado, possivelmente em Goiás.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem