Política

Em imagens, os atos a favor do impeachment de Dilma

O primeiro ato após o início do processo na Câmara teve participação menor que os anteriores

Apoie Siga-nos no

Em diversas cidades brasileiras, manifestantes favoráveis ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff foram às ruas pedir sua saída do poder. Os protestos – os primeiros desde que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), autorizou a abertura do processo de impeachment – foram marcadamente menores que os três ocorridos anteriormente.

As manifestações deste domingo 13 de dezembro foram as primeiras do ano em que a oposição participou de maneira intensa. Durante a semana, o PSDB, que passou meses divergindo por conta dos interesses diversos de três presidenciáveis – os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin – fechou questão a favor do impeachment, com a benção do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Tanto para a oposição quanto para o governo, os protestos deste domingo serviriam de “termômetro” para medir o sentimento popular. No Planalto, o temor de que a pressão das ruas contra Dilma, e seu governo recordista de impopularidade, influencie os parlamentares é grande. Por isso, o governo trabalha para que o processo de impeachment seja julgado o quanto antes. A oposição, por sua vez, aposta no prolongamento do “sangramento” de Dilma para conseguir derrubá-la.

Na quarta-feira 16, o Supremo Tribunal Federal se reúne para determinar qual deve ser o rito do impeachment. Na quinta-feira 17, o Congresso deve anunciar se haverá recesso de fim de ano e qual será seu tamanho.

 

 

 

 

 

 

#impeachmentja #impeachment #foradilma

Posted by Antonio Imbassahy on Domingo, 13 de dezembro de 2015

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.