Em evento sem Boulos na véspera do pleito, Erundina destaca união da esquerda

'Essa é a eleição mais importante das nossas vidas, porque é uma mudança radical da política velha', disse a candidata a vice-prefeita

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Política

A candidata a vice-prefeita de São Paulo na chapa de Guilherme Boulos (PSOL), Luiza Erundina (PSOL), de 89 anos, classificou as eleições municipais de históricas e destacou a união de partidos de esquerda. “Essa é a eleição mais importante das nossas vidas, porque é uma mudança radical da política velha que está nesse País e nessa cidade”, discursou durante evento neste sábado 28, véspera do segundo turno, na região do Campo Limpo. “Ele (Boulos) me pediu para vir e trazer um recado. O recado é que vocês não saiam da rua, mas que fiquem na rua com cuidado, de forma a preservar sua saúde e sua vida.”

 

 

Boulos está recolhido em casa após testar positivo para a Covid-19 na tarde de sexta-feira. Neste sábado, o candidato apresentou sintomas da doença.

A campanha do PSOL organizou uma série de carreatas para este último dia de campanha e tenta evitar o anticlímax de ter o candidato fora das agendas de rua nos últimos dois dias até a votação.

A presença de Erundina estava inicialmente prevista para a carreata da zona norte. Ela disse que atendeu a um pedido de Boulos para representá-lo no bairro onde mora, o Campo Limpo. “Estaria aqui, se não estivesse com problema de saúde, o bravo companheiro Guilherme Boulos. Ele mora aqui pertinho e ele me pediu que eu lhe representasse”, disse.

A ex-prefeita destacou a mobilização dos jovens na campanha e não citou os adversários do PSDB. “A marca dessa campanha é a presença da juventude. A juventude voltou a sonhar”, disse.

Em pé na cabine de seu “papamóvel”, uma caminhonete adaptada para proteger a candidata do risco de contaminação pelo coronavírus, Erundina pediu à militância para que não pare a mobilização na reta final de campanha. “Vamos procurar ficar de máscara, manter o distanciamento, vamos cuidar da nossa saúde”, anunciou o carro de som durante a concentração para carreata.

Organizadores distribuíram tubos de álcool em gel para a militância. Apesar dos alertas, não foi o suficiente para prevenir totalmente o risco de infecção.

A distribuição de bandeiras causou aglomerações de dezenas de pessoas logo no início do evento no Campo Limpo.

Alguns motoristas foram pegos de surpresa pela rua parcialmente fechada pelo grupo de apoiadores, enquanto a coordenação pedia que o local fosse liberado.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem