Em dia de protestos contra Bolsonaro, políticos se mobilizam nas redes

Atos são organizados por frentes sociais, como Povo sem Medo e Brasil Popular

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: AFP

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: AFP

Política

Em dia de protestos por todo o País contra o presidente Jair Bolsonaro, políticos de oposição e também a favor do chefe do Planalto começam mobilização nas redes sociais. Em algumas cidades, os atos já começaram, como Brasília, Rio de Janeiro, Recife, Florianópolis e São Luiz. Em São Paulo, a manifestação está marcada para 16 horas deste sábado, 29. Os atos estão sendo organizados por frentes sociais, como Povo sem Medo e Brasil Popular.

Políticos da esquerda estão convocando a população para as ruas. Em tentativa de evitar críticas por causa das aglomerações, muitas publicações recomendam medidas de segurança para evitar o contágio de Covid-19, como o uso de máscaras. Os políticos também destacam que o protesto também visa a defesa da vacinação de toda a população e de um auxílio emergencial de R$ 600.

“Bolsonaro transformou a morte em política de governo. O lugar dele não é na presidência da República, é no banco dos réus. Pela memória dos que se foram, pela dor das famílias despedaçadas, pelos que estão lutando pela vida, pela dignidade de quem está passando fome: FORA BOLSONARO”, disse o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

 

O senador Humberto Costa (PT-PE) recomendou o uso de máscaras nas manifestações e incentivou o posicionamento pelas redes sociais. ” Todo apoio é importante. #29MPovoNasRuas.”

Guilherme Boulos (Psol), que disputou a prefeitura de São Paulo em 2020, afirmou que “hoje é dia de fora Bolsonaro” e também recomendou o uso de máscaras PFF2 ou N95, mais eficazes contra o vírus, assim como o distanciamento social.

Do mesmo partido, a deputada estadual gaúcha Luciana Genro argumentou que o povo tem de ir às ruas porque não pode esperar o Brasil chegar a 1 milhão de mortos por covid-19. “O genocídio precisa acabar, e para isso Bolsonaro tem que sair. Se um povo faz manifestações em meio a uma pandemia, é porque seu governo é mais perigoso que o vírus.” A deputada também está compartilhando fotos de protestos no País e também em Londres, na Inglaterra.

De outro lado, o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, filho do presidente, respondeu a um comentário do empresário Marcelo de Carvalho, sócio-fundador da RedeTV, que afirma que os protestos contra Bolsonaro estão vazios ao contrário das manifestações a favor do presidente. “Comparem com as manifestações pró e me respondam: “QUEM ACREDITA NO DATAFOLHA ???””, diz a publicação.

Na resposta, Carlos disse que “no jogo limpo, algo que nunca fizeram, claramente não chegam nem perto”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem