Política

Em debate tucano, clima se acirra e Leite sobe o tom contra Doria: ‘Sua rejeição alta é um fato’

‘Eu estava lá no front defendendo a vacina, a mesma que foi aplicada em milhões de pessoas no seu estado’, disse o paulista ao gaúcho

Foto: Reprodução/YouTube/Estadão
Foto: Reprodução/YouTube/Estadão
Apoie Siga-nos no

Em mais um debate entre os candidatos das prévias tucanas à Presidência, o governador gaúcho, Eduardo Leite, elevou o tom contra João Doria e disse que a rejeição ao governador paulista “dificulta para o PSDB se comunicar com a população”.

Também esteve presente no evento, organizado pelo jornal O Estado de S.Paulo nesta sexta-feira 12, o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Em resposta a Virgílio, Leite afirmou que os postulantes devem discutir os estilos e a viabilidade eleitoral. “Em Manaus, você não conseguiu eleger o seu sucessor a prefeito. Eu elegi na Prefeitura de Pelotas a minha sucessora”, afirmou o gaúcho. “O João perdeu a eleição em São Paulo [capital], onde ele governou a Prefeitura, para governador. Eu ganhei a eleição com 90% dos votos em Pelotas.”

Leite também questionou pesquisas citadas por Virgílio que indicariam maior potencial eleitoral de Doria.

“Há uma pesquisa mais atualizada, saiu hoje, na Exame. Eu tenho 6%, o João tem 5%. A rejeição dele é mais que o dobro da minha. Essa questão eleitoral tem que ser observada, quem é que tem capacidade para se comunicar com o povo que não consegue ir a Dubai, por exemplo”, respondeu Leite, em referência a um episódio que ganhou as redes sociais nas últimas semanas. No final de outubro, Doria perguntou, durante viagem ao interior da Paraíba: “Quem aqui já a Dubai?”.

O paulista rebateu com a afirmação de que “a pontuação de derrota” de Leite é diferente.

“Eu estou aqui como governador eleito. Eu não fujo do diálogo. Não quero ser palatável. Quero ser confiável, é diferente. Quero lugar pelo meu País, pelo PSDB, pelas pessoas. Não quero ser conveniente. A conveniência gerou isso que estamos vendo aí: Bolsonaro e aqueles que fazem a má política em defesa de interesse pessoal, eleitoral, espúrio. É a defesa da cloroquina, não da vacina. Eu estava lá no front defendendo a vacina. Estava em Dubai, como estava na China, buscando a vacina. A mesma que foi aplicada em milhões de pessoas no seu estado. É isso o que marca a nossa diferença. As minhas decisões são pelo Brasil, para o Brasil e com o Brasil.”

Na sequência, Leite acrescentou que “não é de forma nenhuma ser desrespeitoso chamar a atenção do nosso partido que onde você [Doria] governou, a Prefeitura de São Paulo, você perdeu a eleição para governador e que neste momento você está com uma rejeição muita alta”. Segundo o governador gaúcho, a alta rejeição “é um fato e dificulta para o PSDB se comunicar com a população”.

Ao encerrar o assunto, Doria afirmou que ganhou “duas eleições em três anos”, mencionando, além de seu triunfo em 2018, a vitória de Bruno Covas no pleito municipal em São Paulo em 2020.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.