Política

Em ato contra Bolsonaro, Boulos diz não ser possível esperar até 2022

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos discursou neste sábado, 29, na manifestação contrária ao governo de Jair Bolsonaro, na Avenida Paulista, uma das principais da capital de São Paulo. Na fala, Boulos, filiado ao PSOL, afirmou não ser possível “esperar […]

Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram
Apoie Siga-nos no

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos discursou neste sábado, 29, na manifestação contrária ao governo de Jair Bolsonaro, na Avenida Paulista, uma das principais da capital de São Paulo. Na fala, Boulos, filiado ao PSOL, afirmou não ser possível “esperar sentado até 2022”, ano das próximas eleições presidenciais.

“Não vamos esperar sentados até 2022. Não vamos esperar ver brasileiros morrendo e sangrando. Chegou a hora de semear um outro projeto de esperança para que nosso povo não tenha de escolher entre morrer de vírus ou de fome”, afirmou Boulos, que incentivou a participação no protesto em suas redes sociais nos últimos dias.

Nessa linha, o coordenador do MTST classificou as manifestações de hoje, em diferentes cidades do País, como um “começo”. “Aqui tem um povo sem medo de lutar. Nós vamos seguir até derrubar o genocida Bolsonaro”, afirmou. No discurso, defendeu ainda a mobilização em meio à crise sanitária. “Ninguém queria estar na rua no meio de uma pandemia, mas Bolsonaro não nos deixou outra alternativa”, disse.

União

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), pregou no fim da tarde deste sábado a união da população contra o presidente Jair Bolsonaro. Ela também discursou no ato contra o chefe do Palácio do Planalto que reuniu milhares de pessoas na Avenida Paulista.

Em sua fala, Gleisi reconheceu que a situação da covid-19, que já matou mais de 450 mil pessoas no País, inspira cuidados, mas que os partidos de oposição, os movimentos sociais e as centrais sindicais decidiram se unir.

“Nós decidimos por um ato extremo, fazer um ato de rua, tomando todos os cuidados possíveis, para mostrar solidariedade ao povo brasileiro”, afirmou. “Este é o início de um grande movimento no Brasil, o movimento pela vida, pela vacina, pelo auxílio emergencial de R$ 600, pelo emprego e pela educação”, emendou.

Gleisi também puxou o grito de ordem ‘Fora, Bolsonaro’ – mesma inscrição de uma máscara vermelha e branca que usava – e classificou o mandatário como “genocida, covarde e fanfarrão”.

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.