Política

assine e leia

Eleições 2022: O TSE depara-se com cascas de banana lançadas pelos militares

Os magistrados queriam proteger-se das ameaças golpistas, mas acabaram por superestimar o papel das Forças Armadas

Fachin e Moraes estarão à frente do processo eleitoral - Imagem: Antonio Augusto/TSE
Fachin e Moraes estarão à frente do processo eleitoral - Imagem: Antonio Augusto/TSE
Apoie Siga-nos no

Jair Bolsonaro tem 1 milhão de seguidores no Telegram, rival do WhatsApp. Na rede social de origem russa, ele deita e rola numa reconhecida competência sua: mentir. Uma arma para a guerra (suja) de sua futura campanha à reeleição. Mas essa farra está com os dias contados. Após o Carnaval, o Telegram sofrerá um cerco. De um lado, os deputados votarão um projeto destinado a botar um mínimo de ordem na terra sem lei das chamadas plataformas digitais, com dispositivos para enquadrar a empresa. De outro, o Tribunal Superior Eleitoral e, possivelmente, o Supremo Tribunal Federal terão de se pronunciar em ações que questionam o modus operandi da firma, a começar pelo fato de ela não ter ninguém com plenos poderes no Brasil, só uns advogados que a defendem em casos de propriedade intelectual.

Achar uma solução para coibir a desinformação espalhada via Telegram é uma das missões do novo presidente da Corte eleitoral, Edson Fachin. Sua posse na terça-feira 22 não contou com Bolsonaro, que nem precisou do aplicativo de mensagens para mentir. Em um ofício ao TSE, o ex-capitão disse que não poderia comparecer por ter “compromissos pre-estabelecidos”. O último item de sua agenda naquele dia foi das 17 às 17h30, e o evento da Corte estava marcado para as 19 horas. Na véspera, Fachin havia se reunido com o embaixador alemão, Heiko Toms, para conversar sobre a experiência daquele país na lida com o Telegram. Invenção de dois irmãos russos, a rede social tem uma mesma prática onde quer que atue. Nada de escritório local. Sede só em ­Dubai. No início do ano, a Alemanha conseguiu forçar a empresa a cooperar e parar de disseminar teorias conspiratórias sobre Covid-19 e neonazismo, por exemplo, graças à ameaça de multas pesadas.

O Congresso e a Justiça preparam um cerco ao Telegram, plataforma na qual Bolsonaro dissemina fake news sem controle

André Barrocal
Repórter especial de CartaCapital em Brasília

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.