Política

Eleições 2022: governo tem 51,4% de avaliações negativas e 24,5% positivas

A pesquisa aponta um crescimento ‘paulatino’ da rejeição a Bolsonaro desde o fim de agosto

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Redes Sociais
O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Pesquisa Modalmais em parceria com a consultoria AP Exata divulgada nesta sexta-feira 22 mostra um aumento na rejeição do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o levantamento, o crescimento “paulatino” é registrado desde o fim de agosto. Publicada semanalmente, a pesquisa mostra que os que avaliam o governo como ruim ou péssimo são 51,4% (0,4 pontos percentuais a mais do que na última semana). Os que veem o governo como bom ou ótimo são 24,5% ( 0,4 p.p. a menos) e os que consideram como regular, permaneceram em 24,1%.

Apesar do temor no mercado financeiro, iniciado pelas manobras do governo para viabilizar o pagamento do Auxilio Brasil, o levantamento mostra que a promessa de um auxílio aos mais vulneráveis ajudou o governo a aumentar as menções positivas ao presidente nas redes.

“Apesar das críticas de analistas, a militância bolsonarista conseguiu emplacar de uma forma consistente a narrativa de que o presidente precisa ajudar os mais pobres e não deve ceder ao mercado”, diz o levantamento. Segundo a pesquisa, as menções positivas chegam a 40%, auxiliadas pelo discurso positivo de criação de auxílio. “O maior nível dos últimos 16 dias”, destaca.

Foi o ministro da Economia, Paulo Guedes, quem sofreu mais com as articulações necessárias para viabilizar o Auxílio Brasil, após a debandada de seu ministério. A pesquisa afirma que a saída de secretários deixou o ministro isolado e exposto a críticas. “Liberais foram, novamente, as vozes mais reprovadoras da medida que compromete a segurança fiscal do país para, na opinião deles, comprar votos entre os mais pobres. As políticas foram consideradas populistas e, em alguns casos, equiparadas ao socialismo.”

Nesta quinta-feira (21), os secretários do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, do Tesouro Nacional, Jefferson Bittencourt, a secretária-adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araújo, pediram demissão do Ministério da Economia após divergências sobre o furo do teto de gastos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!