Eleições 2020: Candidato do PT em São Paulo aposta em segundo turno contra Russomanno

Para Jilmar Tatto, polarização nacional de 2018 se repetirá na capital paulista entre representantes de Bolsonaro e de Lula

Reprodução/Twitter/Celso Russomano

Reprodução/Twitter/Celso Russomano

Política

O candidato à prefeitura de São Paulo pelo PT, Jilmar Tatto, acredita que a eleição na capital paulista será decidida no segundo turno entre ele e Celso Russomanno (Republicanos).

Em entrevista a CartaCapital, o petista disse que a polarização que marcou disputa que elegeu o presidente Jair Bolsonaro deve se repetir em São Paulo, mas com um resultado diferente.

“Uma vitória do campo progressista enfraquece o Bolsonaro. Na minha visão, ele entrará de cabeça na eleição (…). Se o Russomanno encarnar a defesa do presidente, acabará polarizando com o PT. Por isso, avalio que, no segundo turno, estarão o candidato do PT e o Russomanno”, diz.

Na conversa, Tatto rebateu a declaração de Guilherme Boulos (PSOL) de que a falta de união dos partidos de esquerda em uma única candidatura se deve a “interesses menores e paroquiais”.

“O PSOL nunca fez [alianças]. Eles têm uma tradição de voo próprio, tanto que não apoiaram o [ex-prefeito Fernando] Haddad na reeleição e nem na primeira eleição”, afirmou.

Nesta semana, em meio a pressões para escolha de uma mulher para ser candidata a vice, o partido anunciou o deputado federal Carlos Zarattini. De acordo com Tatto, o ex-presidente sugeriu que a vaga fosse ocupada por um parlamentar.

Leia os principais trechos da entrevista feita nesta sexta-feira 18.

 

CartaCapital: Quero começar com a escolha do seu vice nesta semana. Por que o Carlos Zarattini?

 

Jilmar Tatto: Eu conheço o Zarattini desde os anos 1990. Fomos secretários, deputados estaduais e federais. Ele foi líder da bancada do PT lá em Brasília, quando o partido era oposição, e eu fui líder no governo do [ex-presidente] Lula. O Zaratinni tem uma grande capilaridade na cidade de São Paulo, tem um trabalho forte na periferia e é uma pessoa que ajuda muito a unificar  o PT.

 

CC: Em algum momento, vocês cogitaram ter uma mulher como vice?

 

JT: Alguns  disseram que deveria ser mulher, da universidade e da periferia  Eu ouvi também que deveríamos colocar o [deputado e ex-ministro da Saúde Alexandre] Padilha ou o próprio Zarattini.

 

CC: O Lula aprovou a escolha?

 

JT: Aprovou, porque ele queria que fosse um deputado federal ou um deputado estadual. O que ele disse: ‘Olha, tem que ser um vice que tenha mais estofo’.

 

CC: Quem o senhor considera o seu principal adversário na disputa para chegar ao segundo turno?

 

JT: A cidade de São Paulo tem 30% de eleitores que votam na esquerda, 30% na direita e 30% que vão para um lado e para o outro a depender da conjuntura. Se você for verificar do ponto de vista do comportamento do eleitor, eu diria que o Covas dialoga mais com o centro, diferente do Russomanno, que vai procurar um eleitor mais de direita. Dito isso, o principal adversário é quem está no governo, que é o Covas, que tem a máquina, tem uma grande aliança de partidos. Derrotá-lo no primeiro turno é o grande passo para derrotar o Russomanno no segundo turno. Eu avalio que, no segundo turno, estarão o candidato do PT e o Russomanno.

 

CC: Então, você considera que haverá em São Paulo a disputa idelógica que marcou a última eleição nacional?

 

JT: Com certeza, pois o país continua polarizado. E os debates sobre emprego, queimadas, auxílio emergencial e a pandemia estarão colocados, porque são discussões nacionais. Se o Russomanno encarnar a defesa do governo Bolsonaro, ele vai polarizar com o PT.

 


Em agosto, o ainda pré-candidato foi entrevistado no canal de CartaCapital no Youtube

 

CC: Boulos, Orlando Silva (PCdoB) e Márcio França (PSB) não têm chance de tomar o seu lugar na polarização?

 

JT: O PSOL e o PCdoB fazem oposição ao Bolsonaro. Já o Márcio França vai tentar evitar a polarização e pode não entrar no jogo para valer. A dificuldade do Boulos e do Orlando é que são de partidos pequenos. Já o PT é um partido grande, com capilaridade, tem tradição na cidade e deixou marcas em São Paulo.

 

CC: Uma vitória de algum candidato progressista em São Paulo abre caminho para derrota de Bolsonaro em 2022?

 

JT: Uma vitória do campo progressista enfraquece o Bolsonaro. Na minha visão, ele entrará de cabeça na eleição, porque São Paulo é uma cidade nacional. Nós vamos dizer que para resolver as questões do país é preciso vencer o Bolsonaro. Os problemas da cidade têm muito a ver com a mudança de política econômica do governo federal e da maneira que eles governam o país.

 

CC: Se a eleição em São Paulo pode representar a derrota do Bolsonaro, por que a esquerda não se uniu? O Boulos falou em  “interesses paroquiais” de outros candidatos.

 

JT: O PT já fez alianças em São Paulo, com PDT e PCdoB, por exemplo. O PSOL nunca fez. Eles têm uma tradição de voo próprio, tanto que não apoiaram o [ex-prefeito Fernando] Haddad na reeleição e nem na primeira eleição. E tem a nova legislação eleitoral que fez com que os partidos menores insistissem nas candidaturas. Eu nunca fui contra uma frente, mas queria saber qual é o critério, pois é desproporcional a força do PT em relação aos outros partidos.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: Alisson_Matos

Compartilhar postagem