‘Ele é candidato à Presidência e tem meu voto’, diz FHC sobre Doria

O governador de São Paulo se aborreceu com um encontro entre FHC e Lula, neste ano

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Política

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) declarou neste sábado 31 que pretende votar em João Doria (PSDB) para presidente nas eleições 2022.

 

 

A declaração foi registrada em vídeo divulgado pela equipe do governador paulista e acontece semanas depois de um mal-estar causado pelo ex-presidente por causa de um encontro com Luiz Inácio Lula da Silva (PT), também presidenciável. FHC chegou a afirmar que votaria em Lula num eventual segundo turno entre o petista e Jair Bolsonaro.

“Ele é candidato à Presidência e tem meu voto”, diz FHC apontando para Doria no vídeo que circula nas redes sociais neste sábado. Além do governador, FHC aparece acompanhado dos presidentes de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, e do ex-presidente Michel Temer, na reabertura do Museu da Língua Portuguesa, neste sábado em São Paulo.

O encontro entre FHC e Lula rendeu críticas públicas de tucanos como Aécio Neves, Orlando Morando e do presidente da legenda, Bruno Araújo. Doria não se manifestou, mas aliados do governador disseram ao Estadão que ele ficou aborrecido ao saber do encontro. “Reafirmo, para evitar más interpretações: PSDB deve lançar candidato e o apoiarei; se não o levarmos ao segundo turno, neste caso não apoiarei o atual mandante, mas quem a ele se oponha, mesmo o Lula”, afirmou FHC após a repercussão de seu encontro com Lula.

A disputa pelo posto de candidato à Presidência pelo partido em 2022 tem quatro nomes: Doria, o governador gaúcho Eduardo Leite, ambos em campanha para as prévias tucanas e, além deles, o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio (AM).

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem