Eduardo Bolsonaro ataca PCdoB e deputado reage: “Defensor do AI-5”

Filho do presidente disse que partido tenta esconder que é comunista em projeto para alavancar candidaturas nas eleições 2020

O filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, acusa PCdoB de tentar esconder que é uma legenda comunista. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, acusa PCdoB de tentar esconder que é uma legenda comunista. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Política

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA) respondeu a ataques do filho 03 do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro, em relação ao “Movimento 65”, novo projeto do PCdoB para as eleições municipais.

Na quinta-feira 30, Eduardo afirmou, nas redes sociais, que o PCdoB tenta “esconder” sua orientação comunista ao criar uma nova marca visual sem o termo.

“Partido defensor de todo tipo de ditadura genocida, agora o PCdoB tá tentando enganar o povo e escondendo o comunista de seu nome. Perceberam que os brasileiros repudiam o vermelho e agora se pintaram de verde-amarelo… spoiler: não vai adiantar”, escreveu o parlamentar.

Em nota, Jerry reagiu nesta sexta-feira 31 e explicou que o “Movimento 65” foi lançado na terça-feira 28 para “agregar forças dos campos democrático e progressista para fazer frente ao atual governo”. A iniciativa é uma das novidades para a disputa eleitoral neste ano.

O parlamentar também acusou Eduardo de defender milicianos, exaltar a ditadura e ameaçar o país de instituir um novo Ato Institucional nº 5 (AI-5), decreto que resultou na legalização da tortura a opositores durante o regime militar brasileiro, na década de 1960.

“Defensor de milicianos, ditadura e AI-5 , deputado Eduardo Bolsonaro se incomoda com o Movimento 65, organizado pelo PCdoB, o partido mais verde e amarelo de verdade, mais Brasil, desde 1922. O incômodo do filho de Bolsonaro mostra só que o PCdoB está no rumo certo”, disse Jerry.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), apresentou o novo movimento em vídeo publicado na internet, na quinta-feira 30. Ele ressaltou que a meta do partido, com a iniciativa, é alavancar candidaturas para as eleições deste ano e anunciou que o período para filiações ao partido dura até 3 de abril.

No manifesto do “Movimento 65”, a sigla deixa claro o seu objetivo de atrair novas candidaturas de “socialistas, trabalhistas, humanistas, patriotas, integrantes de todas as religiões e das organizações sociais e culturais”.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem