CartaExpressa

Edinho Silva defende a taxação de sites de apostas: ‘Carimba esse dinheiro para a Educação’

Em 2018, sob o governo de Michel Temer (MDB), foi aprovado um decreto que autorizava a operação das casas de aposta no País

O prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT). Foto: EBC
Apoie Siga-nos no

Um dos coordenadores de comunicação da campanha de Lula, Edinho Silva (PT) defendeu taxar sites de apostas esportivas.

Edinho, que é prefeito de Araraquara, ex-ministro das Comunicações (2015-2016) e um dos cotados para assumir a Secretaria Especial de Comunicação Social do governo, afirmou que a alocação dos valores dos recolhimentos poderia ser usado para a educação. 

“Como que estamos falando de crianças fora de escola e talvez hoje a maior avalanche de apostas que o Brasil já viveu sendo feita fora do país sem nenhuma tributação?”, questionou. “Há estudos que dizem que só a regulamentação dos jogos geraria ao Brasil R$ 23 bilhões já primeiro ano. Com R$ 23 bilhões nós teríamos um programa de compensação educacional para essas crianças que ficaram fora da escola na pandemia. Eu defendo isso.”

Em 2018, sob o governo de Michel Temer (MDB), foi aprovado um decreto que autorizava a operação das casas de aposta no País. No entanto, ainda não existe a regulamentação das atividades. 

A lei prevê que as empresas que atuam no Brasil devam ser sediadas em outros países, assim como a hospedagem dos domínios e que não pode haver ponto físico de jogo. 

“Eu defendo isso. Você carimba esse dinheiro para educação e para infraestrutura educacional. Não é só remunerar o professor. É melhorar a merenda. Não adianta fazer o 4G chegar na escola pública se não tiver equipamento. Só internet circulando na escola sem equipamento não adianta nada”, defendeu o prefeito. 

Ele ainda pontuou a necessidade de criar um “selo SUS” para o cigarro, e que o dinheiro recolhido pela taxação seja direcionado para a Saúde. 

“Tem uma fila de exames e cirurgias eletivas gerada pela pandemia. Por que não criamos o selo SUS no cigarro? Você tem um produto mais nocivo à saúde pública do que o cigarro? — afirmou o ex-ministro. — Todo ano o cigarro gera doença cardiorrespiratória, que gera exame, que gera cirurgia. Por que o cigarro não paga uma parte desse custo do SUS?”, questionou. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo