Política

Dória prorroga quarentena em SP, com flexibilização em cidades menos atingidas

Comércio e shoppings são abertos na maior parte dos municípios

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: Governo de SP.
Apoie Siga-nos no

O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira 27 que a quarentena continuará por mais 15 dias no estado, mas com flexibilização em cidades menos atingidas. A capital e a região metropolitana continuam com um sistema rígido de isolamento.

O estado foi dividido em cinco zonas de risco, avaliadas a partir de indicadores como capacidade hospitalar pública e privada, a evolução da doença e a taxa de isolamento. No atual momento, todas as cidades estão enquadradas nas três primeiras zonas de atenção.

Em regiões da zona de controle – que abarcam a maior parte do estado – estão autorizados o funcionamento de comércio de rua, shoppings, atividades imobiliárias, concessionárias e escritórios, sempre em horários pré-definidos e com 20% da capacidade. Indústria e construção civil também podem atuar.

Em regiões da zona de flexibilização, 40% da capacidade pode ser alcançada. Foi incluído entre as atividades autorizadas o funcionamento de bares, restaurantes e similares, com mesas ao ar livre.

Até o momento, São Paulo possui mais de 82 mil mortes e 6 mil mortes, sendo o estado mais atingido do país. “É uma retomada segura e consciente. Estaremos acompanhando dia-a-dia a evolução do processo. Se tivermos que dar um passo atrás, não hesitaremos”,  disse o governador.

Doria também afastou a possibilidade de enrijecer as medidas de isolamento dias depois de o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), ter cogitado publicamente a possibilidade de decretar lockdown.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo